Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Terça, 09 de Fevereiro de 2021 - 00:00

Três filiados ao Republicanos seguem cotados para Cidadania; dois são deputados baianos

por Mauricio Leiro

Três filiados ao Republicanos seguem cotados para Cidadania; dois são deputados baianos
Foto: Priscila Melo / Bahia Notícias

O nome do deputado João Roma (Republicanos) aparece em lista do partido, que faz a interlocução no processo de indicação, entre os cotados para assumir o Ministério da Cidadania no governo Jair Bolsonaro. O presidente Jair Bolsonaro já confirmou que o ministro Onyx Lorenzoni, atual ministro da Cidadania, assumirá o cargo de ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República (veja aqui). 

 

Segundo fontes do Bahia Notícias ligadas ao partido, a lista do Republicanos para o Ministério da Cidadania é composta, além de Roma, por Márcio Marinho e o deputado por Roraima, Jhonatan de Jesus. Outro nome seria do deputado federal por São Paulo, Marcos Pereira, porém, o parlamentar descartou ocupar o ministério por querer dar atenção ao seu mandato no legislativo. 

 

Ao Bahia Notícias, o próprio deputado negou ter sido sondado ou recebido qualquer convite para assumir o ministério (relembre aqui). Até o prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM) se mostrou empolgado com a ideia. O democrata disse não saber se o nome do amigo foi formalmente apresentado pelo Republicanos nem se o partido terá essa prerrogativa, mas apostou na preparação de Roma para qualquer desafio (veja mais).

 

DECISÃO PODE REFLETIR EM ACM NETO?

Caso Roma seja empossado no Ministério da Cidadania, a repercussão pode extrapolar o partido do parlamentar. Nos bastidores, é divulgado que o ex-prefeito de Salvador tenta evitar que o deputado federal João Roma (Republicanos-BA) seja escolhido ministro por conta da repercussão negativa da chegada do Democratas ao governo. A relação entre Neto e Roma é de 30 anos de proximidade e Roma já foi seu chefe de gabinete na prefeitura da capital baiana.

 

O início da suspeita da chegada de Neto ao governo Bolsonaro se deu por conta da decisão do DEM de não fechar apoio à candidatura de Baleia Rossi (MDB-SP) para presidência da Câmara, adotando uma posição neutra (relembre aqui). O ato beneficiou diretamente Arthur Lira (PP-AL), candidato de Bolsonaro na disputa.

 

Foi ventilada até a hipótese de Neto ser candidato a vice na chapa do atual presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em 2022, apesar disso, Neto negou que haja esta possibilidade (veja mais). 

Histórico de Conteúdo