Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Cunha desmente delação e diz que Camargo 'foi obrigado a mentir'
Foto: Reprodução/ G1
O deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) desmentiu, na noite desta quinta-feira (16), as declarações do ex-consultor da Toyo Setal, Júlio Camargo. Em delação premiada, o investigado na Operação Lava Jato afirmou que Cunha o pressionou a pagar US$ 10 milhões em propinas para que um contrato de navios-sonda da Petrobras fosse viabilizado. Do total, segundo Camargo, US$ 5 milhões seria para o presidente da Câmara dos Deputados. "Desminto com veemência as mentiras do delator e o desafio a prová-las", disse Cunha em comunicado. O parlamentar disse ainda que o delator "foi obrigado a mentir" e que o Palácio do Planalto e o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, "podem estar por trás" da acusação. "E acho muito estranho [a denúncia] ser na véspera do meu pronunciamento [em cadeia de rádio e TV] e na semana em que a parte do Poder Eexecutivo [Polícia Federal], no cumprimento dos mandatos judiciais, tenha agido com aquela fanfarronice toda [no cumprimento dos mandados de busca e apreensão na casa de políticos investigados pela Lava Jato]", disse Cunha, em entrevista coletiva. Para o peemedebista, "há objetivo claro de constranger o Poder Legislativo". O delator, Júlio Camargo, afirmou que vinha omitindo o nome de Eduardo  Cunha no escândalo da Petrobras por temer retaliação à sua família, de acordo com a Folha. "Todo homem que é responsável é obrigado a ter medo e receio. E uma pessoa que aje não diretamente, e tem que ameaçar você através de terceiros, já é uma pessoa a quem deve se ter todo cuidado", disse Camargo, em depoimento na tarde desta quinta à Justiça Federal de Curitiba. 

Histórico de Conteúdo