A Associação dos Praças, Bombeiros e de seus familiares do Estado da Bahia (Aspra) anunciou que entrará nesta quarta-feira (18) com uma representação no Ministério Público da Bahia (MP-BA) para pedir que o órgão investigue as circunstâncias nas quais ocorreu o Teste de Habilidade Especifica (THE), que resultou na morte do policial Manoel dos Reis Freitas Júnior, da 4ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM). O soldado participava da seleção para fazer parte do Curso de Operações Policiais Especiais (Copes) – conhecido como o curso de “Caveiras” da Polícia Militar baiana. De acordo com a versão apresentada pela PM, Manoel passou mal em uma corrida de 10 km. “Não vamos tolerar este tipo de tratamento. Queremos saber quem estava a frente do teste, se havia profissionais de Educação Física”, disse o vereador Marco Prisco (PSDB), coordenador-geral da Aspra. Outros três policiais que participaram do teste estão internados.

Histórico de Conteúdo