‘Nunca imaginei que passaria por essa excrescência e estupidez’, diz Adolfo Menezes
Foto: Max Haack / Ag. Haack / Bahia Notícias
O prefeito eleito de Campo Formoso, Adolfo Menezes (PSD), que poderá ficar impedido de ser diplomado e tomar posse no cargo para o qual foi eleito, afirmou nesta quinta-feira (13) que corre o risco porque “trabalhou muito” como deputado estadual. “Nunca imaginei que passaria por essa excrescência e estupidez. Se passasse o tempo todo dormindo na praia não teriam nada contra mim. Eu sou um deputado estadual. Se eu não divulgar o meu mandato, quem é que vai divulgar?”, argumentou. O parlamentar foi eleito nas eleições municipais de outubro com 52,3% dos votos válidos, mas, segundo a Procuradoria Regional Eleitoral (PRE), cometeu abuso de poder econômico e fez uso indevido dos meios de comunicação em benefício da sua candidatura. “Fiz um contrato de R$ 1,7 mil com verba que qualquer deputado tem direito. No contrato com a rádio feito em novembro eu tinha duas chamadas por mês além dos spots. Mas, em junho desse ano, mandei um ofício para a rádio e solicitei a suspensão de qualquer veiculação. Isso consta no processo”, defendeu-se. Segundo Menezes, por Campo Formoso ser a sua principal base eleitoral e a população das áreas mais afastadas da cidade "não terem o costume de ler jornais, sites ou revistas", além de a TV receber sinal apenas com receptores digitais, o único veículo que atingiria e informaria as suas ações seria o rádio. "O povo lá não sabe nem o que é A Tarde, Correio ou Tribuna. TV só quem tem antena parabólica. Eu sou o deputado mais atuante da história de Campo Formoso. Como a lei me permite divulgar o meu mandato, estou sendo punido por ter trabalhado muito. Estou indignado. Até agora não sei qual é o meu crime. Apenas divulguei minhas ações. É vergonhoso”, criticou. Caso a Justiça eleitoral acate o pronunciamento da PRE, o deputado deverá recorrerá da decisão.

Histórico de Conteúdo