Presidente do PTN e deputados acusam Vox Populi de favorecer candidato petista em Camaçari
Foto: Tiago Melo / Bahia Notícias
Secretário municipal de Educação, o presidente estadual do PTN, João Carlos Bacelar, afirmou nesta quinta-feira (30) que acionará a Justiça Eleitoral  para que apure denúncias feitas na tarde desta quarta (29) por deputados de oposição da Assembleia Legislativa contra o Instituto Vox Populi. “São denúncias muito graves, feitas pelos deputados Bruno Reis, Sandro Régis, Elmar Nascimento e Carlos Geilson, que colocam em xeque a integridade das pesquisas realizadas pelo Vox Populi”, disse Bacelar, em entrevista ao programa Acorda pra Vida, da Rede Tudo FM 102,5. Segundo o dirigente, os resultados da pesquisa sobre sucessão municipal em Camaçari já são conhecidos na AL-BA, antes mesmo de serem divulgados e beneficiariam o petista Ademar Delgado – correligionário do atual prefeito Luiz Caetano –, que estaria na primeira posição, dez pontos à frente do segundo colocado, Maurício de Tude (PTN). O secretário disse ainda que foi a própria mulher de Caetano, a deputada petista Luiza Maia, que espalhou tais informações pela Assembleia. “Esse instituto está associado a maracutais em pesquisas. Em 2008, disseram que João Henrique era o terceiro colocado e ele ganhou. Fiz uma pesquisa na internet e achei 65,4 mil citações contra o instituto”, apontou. Bacelar levantou questionamentos sobre o financiamento da pesquisa, que teria sido paga pelo Clube dos Diretores Lojistas (CDL) de Camaçari. “Desafiamos o Instituto Vox Populi a provar a veracidade dessa informação, uma vez que o CDL local não dispõe de recursos para financiar a pesquisa”, escreveu o presidente do PTN baiano em carta. Ainda na entrevista à Tudo FM, Bacelar também levantou questionamentos quanto à pesquisa do mesmo instituto a ser divulgada no final de semana sobre a sucessão em Salvador. “É só ir no restaurante da Assembleia, que todo mundo lá sabe o resultado de Salvador”, acusou. Presidente do Vox Populi, o sociólogo Marcos Coimbra é colunista do Correio Braziliense e da revista Carta Capital.

Histórico de Conteúdo