A Secretaria estadual de Cultura (Secult) cancelou o processo seletivo para contratação de representantes territoriais da cultura. O anúncio foi feito pela pasta na tarde desta quinta-feira (23), em nota oficial enviada à imprensa. De acordo com a Secult, o cancelamento do Edital Nº 001/2012 visa “avaliar os critérios de seleção”. A decisão foi tomada após a denúncia de que o concurso utilizaria um critério que favoreceria filiados políticos durante a seleção, além de prever a contratação direta, com aplicação de entrevista apenas no caso de não preenchimento de vaga. Mas, para o autor da denúncia, o advogado Waldir Santos, o edital deveria ter sido corrigido ou anulados apenas os itens que continham erro. "Ou seja, só serve a contratação, só é necessário o servidor, se for possível distorcer o processo seletivo. Será que é justo agora que a população fique sem os serviços dos representantes territoriais da cultura, ou a contratação deles não era necessária?", questionou. Ainda segundo Santos, em resposta à carta aberta, o secretário Albino Rubim afirmou que assinou o edital sem ler, já que teria sido elaborado pelo superintendente de Desenvolvimento Territorial, Adalberto Santos. “Muito mais grave do que o que iria ocorrer é a decisão de cancelar a contratação. O estado da Bahia deveria aproveitar a experiência desse caso e começar a pensar em realizar concursos, como manda a lei”, criticou.

Histórico de Conteúdo