Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Quinta, 18 de Janeiro de 2018 - 15:20

Ourolândia: Polícia investiga se ex-vice foi morto por envolvimento com Lava Jato

por Lucas Arraz

Ourolândia: Polícia investiga se ex-vice foi morto por envolvimento com Lava Jato
Local onde Roberto do PT foi morto | (Foto: Reprodução / Record TV)

A Polícia Civil de Candeias está analisando as imagens das câmeras de segurança da transportadora pertencente ao ex-vice prefeito de Ourolândia, José Roberto Soares Vieira, de 47 anos, e não descarta a hipótese de que a morte tenha ligação com uma delação do político em um caso da Lava Jato.  Conhecido como Roberto do PT, o ex-vice foi alvo de condução coercitiva no último ano pela 47ª fase da Operação Lava Jato, a Operação Sothis. O empresário era suspeito de participar de um esquema de corrupção envolvendo uma subsidiária da Petrobras que desviou R$ 7 milhões para o Partido dos Trabalhadores (PT) e prestou depoimento em novembro. Informações iniciais do crime, que aconteceu nesta quarta-feira (17), davam conta que o petista foi morto por um homem que o perseguia a dois dias à procura de emprego.  “Era a terceira vez que o suspeito ia até o local e esperava pela chegada de José Roberto, oferecendo-se para capinar um terreno no local”, esclareceu à delegada Maria das Graças Barreto, titular em exercício, da 20ª Delegacia Territorial (DT). Ao Bahia Notícias, a DT de Candeias declarou que não descartou o cenário preliminar, mas que irá trabalhar com várias linhas de investigação por se tratar de um político investigado. “Nenhuma linha será descartada. Estamos investigando se o crime foi motivado pelo envolvimento com a Lava Jato ou ainda um caso de roubo seguido de morte por se tratar de uma área ‘deserta’”, declarou. Roberto chegava acompanhado do motorista, depois de deixar o carro numa concessionária, onde ele seria vendido, quando foi abordado pelo assassino na porta da sua empresa, na Fazenda Mamão, BA-522 (lembre aqui) . A investigação apurou que o político pretendia adquirir um veículo blindado. 



Histórico de Conteúdo