Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Brasil registra 136 mortes por Covid, e média móvel de óbitos se aproxima de 200 por dia
Foto: Reprodução l COSEMS/SP

O Brasil registrou 136 mortes por Covid e 28.169 casos da doença neste sábado (25). Com isso, o país contabiliza 670.418 vidas perdidas e 32.058.898 pessoas infectadas pelo Sars-CoV-2 desde o início da pandemia. A média móvel de mortes é de 194 por dia, um aumento de 24,3% em relação ao dado de duas semanas atrás. A média de infecções chegou a 52.556 por dia, crescimento de 22,4% em comparação com sábado (11).

 

Amapá, Amazonas, Bahia, Mato Grosso do Sul, Piauí e Sergipe não registraram mortes. Já os estados do Acre, Distrito Federal, Maranhão, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rondônia, Roraima e Tocantins não divulgaram boletins.
 

Os dados do país, coletados até 20h, são fruto de colaboração entre Folha, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são recolhidas pelo consórcio de veículos de imprensa diariamente com as Secretarias de Saúde estaduais. O consórcio de veículos de imprensa deixou de atualizar os números de vacinados contra a Covid-19 nos fins de semana e feriados. Nos dias úteis, os dados serão atualizados normalmente. A medida visa evitar imprecisões nos números informados ao leitor.
 

A mudança se deve a problemas na consolidação dos dados de vacinação pelas secretarias estaduais. Diversos estados já não atualizam o total de vacinados aos fins de semana e feriados, e mesmo os que o fazem, por vezes, informam números desatualizados, que não correspondem à realidade e costumam ser corrigidos nos dias seguintes.
 

A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorreu em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (PL), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes. Além disso, o governo divulgou dados conflitantes.

Histórico de Conteúdo