Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Quarta, 14 de Julho de 2021 - 08:50

Oposição quer que Mario Frias seja investigado por perseguição ideológica

por Eduardo Moura | Folhapress

Oposição quer que Mario Frias seja investigado por perseguição ideológica
Foto: Roberto Castro / Mtur

Parlamentares da oposição enviaram à Procuradoria-Geral da República um pedido de investigação de perseguição político-ideológica dentro da Secretaria Especial da Cultura, após um parecer técnico carregado de frases religiosas ter barrado um festival de jazz baiano (saiba mais) de captar recursos via Lei Rouanet .
 

A gestão Mario Frias apontou uma postagem de junho do ano passado no Facebook, em que o festival se posicionou como antifascista, como um dos motivos que levaram ao parecer negativo. O parecer técnico é entremeado com citações religiosas, versos em latim e frases como “A Arte é tão singular que pode ser associada ao Criador”.
 

Os parlamentares do PT, PC do B, PSOL, PSB e PDT que assinam o texto também pedem a apuração de "violação aos princípios da impessoalidade, com desvio de finalidade e advocacia administrativa na destinação dos recursos da Lei Federal de Incentivo à Cultura".
 

Por fim, também querem que a investigação apure "abuso de autoridade, assédio moral e ato de improbidade administrativa em relação à elaboração do parecer pelo Sr. Ronaldo Daniel Gomes".
 

Gomes é o parecerista que assina o documento que barrou o festival de jazz —ele foi exonerado uma semana após a expedição do parecer, depois de mais de uma década no ofício.
 

O documento foi entregue à procuradoria nesta terça (13) e é assinado pela presidente da Comissão de Cultura da Câmara, Alice Portugal (PC do B), além dos parlamentares Áurea Carolina (PSOL), Benedita da Silva (PT), Jandira Feghali (PCdoB), Sâmia Bomfim (PSOL), Lídice da Mata (PSB), Túlio Gadêlha (PDT), Alexandre Padilha (PT), Tadeu Alencar (PSB) e David Miranda (PSOL).
 

O intuito é incorporar as investigações a um inquérito já em curso no Ministério Público Federal que apura se a conduta do Ministério do Turismo e da Secretaria Especial da Cultura na avaliação de projetos que buscam incentivos via Lei Rouanet é motivada por questões político-ideológicas.

 

O produtor do Festival de Jazz do Capão, Tiago Tao, informou, nesta terça-feira (13), que estava em contato com a Comissão de Cultura e que iria judicializar o caso, apresentando o documento da Funarte como prova (saiba mais).

Histórico de Conteúdo