Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Sábado, 16 de Outubro de 2021 - 00:00

'Não pensaram na gente', produtora critica falta de prioridade do TCA ao mercado local

por Jamile Amine

'Não pensaram na gente', produtora critica falta de prioridade do TCA ao mercado local
Anavitória na Concha em 2020, com produção de Irá Carvalho | Foto: Paulo Guedes

Além do impasse envolvendo o “calote” da Ingresso Rápido a produtores de shows realizados no Complexo Teatro Castro Alves (saiba mais detalhes), a indefinição sobre uma nova operadora para administrar a venda de entradas gera insegurança aos empresários do setor de eventos, que temem marcar novas pautas no local e ter mais prejuízos.

 

“Eu acho o seguinte: a gente teve problemas sérios durante a pandemia, principalmente nosso setor, e a essa altura já era para estar tudo resolvido. Era para estar tudo solucionado, porque mecanismos existem, a tecnologia está aí, o governo tem pessoas capacitadas e que durante a pandemia toda ficaram recebendo seus salários, ao contrário dos produtores que movimentam a cultura. E agora a gente está sem poder realizar eventos no complexo que a maioria das pessoas que trabalham com cultura de Salvador, como eu, trabalham, que é o Complexo TCA”, lamentou Irá Carvalho, à frente da Íris Produções, empresa que já trouxe grandes medalhões da música brasileira à capital baiana.

 

A produtora relatou a preocupação pelas incertezas e contou que teve que pisar no freio no momento em que o setor deveria estar acelerando depois do longo período inviabilizado pela pandemia. “Os órgãos têm que entender que nós fomos prejudicados, ficamos um ano e oito meses parados, e agora a gente não pode estar [parado]. É difícil de entender que agora, a essa altura, a gente vai ter um problema desse. É muito triste, eu fico preocupada. Já solicitei pauta e estou aguardando retorno pra confirmação a partir de janeiro de 2022, porque eu, para fazer um show em novembro ou dezembro, já teria que estar vendendo e não tem tiqueteira, então não posso abrir venda”, reclamou Irá, lembrando que ainda não teve confirmação de suas marcações. “Até por conta dessa incerteza, eu não vou programar agora. A gente entende que já era pra estar com a pauta a partir de novembro marcada, mas a gente não tem essa posição porque o próprio teatro não tem a tiqueteira e não pode liberar o show sem ela”, pontuou.

 

Em meio ao impasse junto ao TCA, a empresária com larga experiência no mercado baiano revelou que tem buscado alternativas. “Vou fazer Jau e Zeca Baleiro, dia 24 agora, no Vila Armazém, em Lauro de Freitas; estou fazendo Nando Reis dia 14 de novembro na Praia do Forte, porque eu estou me virando. Mas nem todo mundo tem essa possibilidade”, salienta a produtora. Irá Carvalho afirmou ainda que o problema com o teatro é uma “queixa geral do setor”, que ao longo da pandemia tentou propor soluções, mas viu a euforia da retomada ser abafada por questões triviais. “A gente veio dialogando, propondo e conversando pra chegar nesse momento e a gente estar pronto, já estarmos preparados tanto a gente, que está há um ano e oito meses sem ganhar, quanto o equipamento. Eu acho que pior do que o equipamento, que depende de tecnologia e recursos que existem, somos nós que sobrevivemos a tudo isso. Então agora era a hora da gente estar feliz”, assinalou, sem nominar culpados, mas cobrando o empenho do governo do estado, da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb), que segundo ela têm pessoas capacitadas para resolver a questão.

 

A produtora baiana revelou ainda que chegou a apresentar sugestões junto à direção do Teatro Castro Alves, mas não teve “abertura” para chegar a um acordo. “A gente já trouxe até alternativas de, nesse momento emergencial, abrir um precedente de colocar uma empresa fazendo um período teste de três meses pra vender os ingressos ou a gente mesmo vender nossos ingressos através de uma própria tiqueteira que a gente tenha relacionamento, que trabalhe sério no mercado”, contou Irá, para quem a resolução do impasse “não é difícil de resolver, porque no mundo se vende ingressos, em outros estados estão acontecendo coisas”. Ela defende que agora é preciso encontrar de imediato uma forma de resolver. “Eu já gostaria de estar fazendo show em novembro e dezembro, mas não tive essa oportunidade”, queixou-se. 

 

A produtora Marlucia Sie, por sua vez, conta que vive o dilema do dinheiro retido com a Ingresso Rápido de um show vendido e ainda não realizado e também a dificuldade de marcar seus eventos no complexo TCA. “Esse ano eu solicitei pauta para novembro e dezembro, mas recebi uma negativa e uma das justificativas que eu soube depois por outros produtores é que o teatro reservou todas as pautas de dezembro para escolas particulares de balé, dando prioridade a escolas de balé ao invés da produção cultural da Bahia. Nós, que já que estamos há um ano e oito meses sem receber R$ 1, sem ganhar dinheiro. O TCA e a Funceb priorizaram escolas particulares”, criticou. “E agora não tem mais jeito, já devem ter firmado o contrato e não tem como voltar atrás”, lamentou a empresária, que classifica o incidente como negligência. “Na verdade, acho que foi uma falta não de planejamento, mas de cuidado com a classe cultural da Bahia e de Salvador. Eles não pensaram na gente, acho que eles planejaram exatamente isso, acho que foi falta de cuidado e atenção ao setor. Porque o que estamos carentes hoje é exatamente isso, cuidado e atenção. Acho que planejamento eles tiveram, tanto tiveram que está tudo fechado lá para as escolas”, alfinetou.

 

A produtora relatou como exemplo de sua agonia também uma apresentação do grupo Teatro Mágico anterior à pandemia, cuja bilheteria foi aberta e chegou a vender 400 ingressos, mas ela não sabe se será compensada pelo prejuízo. “Em reunião no TCA com todos os produtores eu questionei a respeito disso, porque eu estava preocupada, e não adiantava eu fazer o show, não posso trazer um artista de outra cidade, e ter 400 ingressos indisponíveis. Porque quando terminar o evento eu tenho que pagar todo mundo”, contou Marlucia sobre a apresentação, que agora ela tenta marcar para março de 2022, na Sala Principal.

 

“Nós ficamos com 400 ingressos a menos e o teatro ainda não definiu esse repasse. Primeiro sugeriu que a gente cancelasse todos os ingressos e as pessoas comprassem de novo, mas isso também é um tiro no pé da gente. Quer dizer, se eu sou cliente e cancelam o ingresso, por lei eu só vou receber meu dinheiro em dezembro de 2022 por conta de decreto federal. E eu vou comprar de novo o mesmo ingresso? Ninguém tem dinheiro sobrando!”, questionou a produtora, indignada com proposição da direção do teatro. “Eu fui contra, disse que não ia cancelar nenhum ingresso, tanto que não cancelei minha pauta do Teatro Mágico. Nós não pegamos o dinheiro de volta, nossa reserva de pauta continua lá no TCA, ele vai acontecer, porque tem que acontecer, né? Solicitei a pauta pra março de 2022 e não tive confirmação ainda, e a gente tem que colocar agenda também”, acrescentou.

 

Assim como Irá Carvalho, Marlucia também teme prejuízos com a indefinição a respeito dos projetos futuros no espaço. “Não adianta a gente marcar pauta e eles não pagarem a gente. Porque a gente não tem previsão desse dinheiro, as produtoras não pegaram, e a gente não pode pegar em dinheiro do que não aconteceu. Então, eu estou muito insegura de fazer o evento do Teatro Mágico em março e não ter o dinheiro dos ingressos que foram vendidos no dia do fechamento do borderô. É uma situação muito difícil que a gente está passando”, salientou a empresária baiana, que cobra uma atenção especial para o mercado local, que segundo ela movimenta de 80% a 90% das pautas do complexo e merecem prioridade aos produtores nacionais.

 

Para a produtora, o Teatro Castro Alves é o “calcanhar de aquiles” do setor neste momento, porque é um dos poucos espaços de Salvador aptos a receber eventos de escala comercial, necessários para reativar toda a cadeia produtiva do entretenimento. “A gente depende do complexo para trabalhar e ter uma receita nossa, porque temos hoje só o Teatro Módulo e o Jorge Amado funcionando, de teatro comercial. O Isba fechou, o Sesc está em reforma e ainda não terminou, e o TCA com esse impasse da tiqueteira”, pontuou. 

 

A bronca da empresária, entretanto, não se resume ao episódio TCA, mas à gestão da cultura estadual de forma ampla. “O que acontece hoje na Bahia como um todo é que o governador não ajudou em nada durante a pandemia a classe cultural. Nós tivemos várias reuniões da classe artística e da produção cultural, sobre o enfrentamento da pandemia, e só em uma tivemos representante do governo. Depois, nenhum representante do governo compareceu a nenhuma reunião nossa. Então, nós estamos totalmente abandonados pelo governo do estado”, disparou Marlucia Sie, reforçando a inação do governo Rui Costa na resolução das demandas do setor e lembrando que a lei emergencial aplicada na Bahia é uma política que vem de Brasília e não do Palácio de Ondina. 

 

“Não adianta dizer assim ‘ah, nós temos a Aldir Blanc’. A Aldir Blanc é uma lei federal, onde o governo só tem que repassar o valor. Então, na primeira reunião eles falaram que teve a Aldir Blanc, mas a gente não tem edital, não teve auxílio emergencial do governo do estado, a gente não tem nada do governo do estado”, frisou a produtora, reiterando a queixa de que “o governador não recebe a gente, a secretária de Cultura Arany também não recebe a gente, então, nós não somos recebidos pelo governo do estado, que poderia ajudar muito a classe”.   


RESPOSTA DO TEATRO CASTRO ALVES
Em nota encaminhada ao Bahia Notícias, o Teatro Castro Alves informou que, enquanto equipamento público, “reforça o seu compromisso com a cadeia produtiva da cultura e afirma que foram tomadas medidas jurídicas e administrativas cabíveis junto à Procuradoria Geral do Estado (PGE), Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (Secult) e Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb), relativas ao não repasse de verbas do período inicial da pandemia de Covid-19”. O teatro disse ainda que "embora nenhuma empresa tenha apresentado proposta na primeira tentativa para a gestão da bilheteria, a tramitação do processo para a contratação segue em caráter de urgência”. 

 

Sobre a reclamação dos produtores quanto à dificuldade para a marcação de pautas, a direção do espaço salientou que “com a flexibilização do número de pessoas em espaços culturais, determinada nos decretos, a procura para agendamento de eventos no TCA passou a ser maior”. O teatro disse ainda que “foram realizados vários encontros com diversas produtoras para tratar do tema da retomada” e que a partir disso a Sala Principal, Concha Acústica e Sala do Coro “já possuem diversos eventos marcados para os próximos meses, provenientes de demandas de diferentes produtoras”.

 

O TCA ressaltou ainda que durante a pandemia permaneceu ativo, “sempre respeitando os decretos de prevenção a disseminação da Covid-19, seja com uma programação virtual nas suas plataformas, ou recebendo gravações e lives de produções artísticas de gêneros variados em todos os seus palcos”. Por fim, destacou que o espaço está aberto para o público, com as visitas educativas do programa “TCA de Perto” e a Ocupação Mobiliário-Memória no Foyer.

Histórico de Conteúdo