Autor de ‘#UstraVive’, rapper ‘louva’ Bolsonaro e diz defender ‘moral e bons costumes’
Foto: Reprodução / BBC

Considerando-se o primeiro rapper de direita, Luiz Paulo Pereira da Silva ganha notoriedade na mídia com música "louvando" Jair Bolsonaro. Em 2014, o próprio deputado compartilhou nas redes sociais uma faixa em sua homenagem. Segundo a Folha, em um trecho do single “#UstraVive” ele exalta o regime militar: “Falei de um jeito que foi pra chocar, mas não defendo a volta do regime militar, defendo que foi necessário naquele momento contra a tentativa de golpe comunista". Com 22 anos, o jovem, que não possui tatuagens, já sabe o que quer eternizar na pele: “O coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, o ex-presidente Emílio Garrastazu Médici e o general Newton Cruz. Quero fazer igual à capa dos Beatles [no álbum 'Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band'] nas minhas costas. Eles não botaram o rosto das figuras que eles mais gostavam? Vou fazer igual", afirma. Sem medo de ser rotulado com “rap reaça”, o cantor exalta o conservadorismo, ao qual chama de “moral e bons costumes”. Luiz contraria a maioria dos artistas do ritmo, que defendem ideias de esquerda, mesmo sem aderirem a rótulos. Apesar disto, o cantor diz ter se inspirado em um dos principais alvos da censura durante a ditadura. “Chico Buarque é um dos maiores compositores do Brasil, pra ser sincero. Acho fascinante a mensagem subliminar nas letras dele, eu queria fazer aquilo, hoje faço pra falar mal deles”. Mas corrige-se: "Falar mal não, falar a verdade", concluiu.

Histórico de Conteúdo