Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Paralisação dos rodoviários tem 100% dos ônibus parados e chance de greve é 'grande'
Foto: Divulgação

O domingo (22) em Salvador amanheceu sem ônibus. Com a paralisação mobilizada pelo Sindicato dos Rodoviários, muitos soteropolitanos ficaram aguardando seu transporte nos pontos sem que qualquer veículo passasse nesta manhã.

 

De acordo com o vice-presidente do Sindicato dos Rodoviários, Fábio Primo, todos os ônibus de Salvador estão nas garagens das concessionárias de transporte neste domingo, tendo em vista que os rodoviários não compareceram ao trabalho.

 

O sistema de transporte especial complementar, que a Secretaria Municipal de Mobilidade (Semob) afirmou que estaria funcionando com 115 ônibus para diminuir o impacto para a população, também está parado.

 

“A gente avisou desde sexta-feira que não iria rodar ninguém. Foi um equívoco eles informarem isso. Não tem nada rodando. Tem 100% de adesão”, garantiu Fábio ao Bahia Notícias.

 

Segundo o sindicalista, as negociações com as concessionárias ainda não avançaram e a chance das manifestações evoluírem para uma greve dos rodoviários é “grande”. 

 

“Nossa paralisação hoje é para tentar evitar de fato uma greve em dia útil. A gente sabe do prejuízo que traz à cidade uma greve. A nossa intenção é que tenha uma proposta por parte do patronal, mas também que o poder público também entenda. Tanto a prefeitura, com a questão do subsídio, e também o governo do estado, com a questão do ICMS”, disse Fábio Primo.

 

O Sindicato dos Rodoviários paralisa as atividades neste domingo como parte de uma estratégia para a campanha salarial de 2022. Entretanto, de acordo com o vice-presidente da instituição, a intenção é que o valor da tarifa não seja reajustado.

 

“Não pode aumentar a tarifa em Salvador, porque a população não aguenta pagar. É preciso ter uma tarifa mais acessível para a população, porque aí a gente consegue colocar mais usuários dentro do transporte, consegue ter um sistema mais equilibrado, para gerar emprego e renda, além de um transporte de qualidade para a cidade”, finalizou o sindicalista.

Histórico de Conteúdo