Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Terça, 22 de Março de 2022 - 11:00

Secretário-geral do PP na Bahia minimiza exoneração do filho: 'Coisa da política'

por Anderson Ramos

Secretário-geral do PP na Bahia minimiza exoneração do filho: 'Coisa da política'
Foto: Arquivo pessoal / Reprodução Bahia Online

Na leva das mais de 70 exonerações publicadas na edição desta terça-feira (22) está o filho de Jabes Ribeiro, atual secretário-geral do PP, Jabes Souza Ribeiro Júnior que foi exonerado do cargo de assessor técnico da Secretaria de Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura (Seagri) (veja aqui).

 

Em conversa com o Bahia Notícias, Jabes disse que viu a medida como “algo normal”, mas ressaltou que o critério adotado é puramente político. “O governador pode tirar ou colocar quem ele quiser da administração pública, mas sabemos que não é por causa da competência e sim da política”, disse.

 

A dança das cadeiras na administração estadual acontece após a saída dos progressistas da base governista, da qual fez parte durante 14 anos. No último dia 14 de março, o vice-governador João Leão (PP) entregou a carta de demissão do cargo de secretário estadual de Planejamento ao governador Rui Costa (PT) e foi seguido pelo ex-presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, Nelson Leal, que ocupava a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e o secretário de Recursos Hídricos, Leonardo Góes (leia mais aqui).

 

Jabes porém subiu o tom em relação ao que ele chamou de atitude “anti-republicana” do governador Rui Costa (PT) em relação as prefeituras que são administradas pelo PP. “Sabemos que gente do governo está ligando para prefeitos e cobrando o apoio deles em troca da assinatura de convênios. Isso não é natural da democracia, é uma ação tirana”, disparou.

 

O secretário progressista não acredita que a ofensiva governista contra os gestores surtirá efeito. “Mesmo que eles [prefeitos] apoiem agora, lá na frente, a partir de agosto eles seguirão com a gente”, afirmou.

Histórico de Conteúdo