Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Terça, 15 de Março de 2022 - 13:05

'Ninguém pode colocar a faca no meu pescoço e dizer que eu abra mão do mandato’, diz Rui

por Anderson Ramos / Gabriel Lopes

'Ninguém pode colocar a faca no meu pescoço e dizer que eu abra mão do mandato’, diz Rui
Foto: Reprodução / Facebook

Um dia após o anúncio oficial do rompimento do PP com a base do PT na Bahia, o governador Rui Costa subiu o tom durante discurso em Almadina, onde cumpriu agenda nesta terça-feira (15). Sem citar nomes, o petista disse que não aceita pressão para renunciar ao cargo. 

 

"Eu sou grato ao meu povo. O povo da Bahia me deu o mandato até 31 de dezembro de 2022 e ninguém, a pretexto nenhum, pode colocar a faca no pescoço e dizer que eu abra mão desse mandato", disparou o chefe do Executivo baiano. 

 


O PP, comandado no estado pelo vice-governador João Leão, justificou a saída da aliança governista após o progressista ser informado pela imprensa que Rui permaneceria no cargo de governador até 31 de dezembro, contrariando as conversas prévias de que Leão herdaria o mandato tampão de 9 meses.

 

Depois do episódio, Leão iniciou uma série de conversas, que convergiram com os interesses do PP nacional de afastar a legenda do arco de alianças do PT na Bahia. Na última quarta (9), o vice indicou que a sigla poderia ter uma candidatura própria ao governo da Bahia ou migrar para a base de apoio ao ex-prefeito de Salvador, ACM Neto (UB), na corrida estadual.

Histórico de Conteúdo