Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Terça, 15 de Março de 2022 - 11:20

Governistas tentam atrair PDT em meio a aproximação de Zé Ronaldo com sigla

por Fernando Duarte

Governistas tentam atrair PDT em meio a aproximação de Zé Ronaldo com sigla
Foto: Bahia Notícias

Com um pé no grupo político do ex-prefeito de Salvador, ACM Neto, o PDT voltou a ser cortejado por aliados do governo Rui Costa. O esforço é uma tentativa de minimizar os efeitos simbólicos da saída do Progressistas e de João Leão da base aliada, confirmado nesta segunda-feira (14) (lembre aqui). De acordo com informações obtidas pelo Bahia Notícias, o interesse é atrair o PDT e até mesmo filiados em potencial, como o histórico adversário do PT, Zé Ronaldo.

 

O ex-prefeito de Feira de Santana foi flagrado em um almoço com lideranças do PDT na semana passada em Brasília (DF) e, segundo interlocutores, estaria negociando uma filiação ao partido. Esse novo membro seria uma vantagem extra para que aliados petistas atraiam o PDT, já que atingiria um importante quadro da oposição. Apesar das especulações, todavia, mesmo os mais otimistas consideram uma aliança entre o PT e Zé Ronaldo muito remota.

 

Já o PDT e seu presidente na Bahia, Félix Jr., mantêm o posicionamento de caminhar com a candidatura de ACM Neto ao governo da Bahia. A legenda integrava a base de Rui Costa até 2020, quando migrou para um apoio à eleição de Bruno Reis (UB) como prefeito de Salvador. Coube ao partido a indicação da vice-prefeita, Ana Paula Matos, e a composição com a gestão municipal, com Leo Prates. Além disso, é tratado como provável o aproveitamento de Andrea Mendonça, irmã de Félix Jr., no primeiro escalão do Palácio Thomé de Souza após a reforma administrativa prevista para o próximo mês de abril.

 

DESEJO

Nomes antigos do partido, como os deputados estaduais Roberto Carlos e Euclides Fernandes, não escondem o interesse que o PDT permaneça na base aliada do governo estadual. Publicamente, Roberto Carlos tem defendido que a sigla se alie ao projeto de permanência do PT no poder - pelo menos enquanto o candidato ao governo era Jaques Wagner.

 

Entretanto, a cúpula do PDT baiano, alinhada com a direção nacional da sigla, defende o afastamento programático do petismo, especialmente em um contexto de estruturação da candidatura de Ciro Gomes ao Palácio do Planalto.

Histórico de Conteúdo