Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Terça, 21 de Dezembro de 2021 - 16:18

Relator prevê R$ 4,9 bilhões para fundo eleitoral no Orçamento de 2022

por Felipe Dourado, de Brasília

Relator prevê R$ 4,9 bilhões para fundo eleitoral no Orçamento de 2022
Foto: Felipe Dourado

Após sugerir redução de R$ 5,1 bi para R$ 4,7 bi o valor destinado ao financiamento de campanhas eleitorais, o relator do Projeto de Lei do Orçamento de 2022, deputado Hugo Leal (PSD-RJ), alterou novamente o texto, prevendo o fundo eleitoral para R$ 4,96 bilhões, no texto final apresentado à Comissão Mista Orçamentária (CMO) do Congresso Nacional, na tarde desta terça-feira (21).

 

A proposta se baseia na decisão do Congresso na semana passada pela derrubada de um veto do presidente Jair Bolsonaro à Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que abria espaço de até R$ 5,7 bilhões para as campanhas. O valor seria três vezes maior do que o utilizado em 2018 e em 2020.

 

Outra alteração proposta na PLOA para 2022 é o reajuste salarial de policiais federais e rodoviários, além de agentes penitenciários. A proposta foi sugerida pelo Presidente na última segunda-feira (20). No texto, Leal incluiu R$ 1,7 bilhão para a reestruturação de carreiras e reajustes a servidores públicos.

 

ROMBO FISCAL

Em 2022, o texto do orçamento prevê aumento de R$ 49,6 bi para R$ 79,3 bi o combo das contas do governo, considerando que as depesas ficarão acima da receita. No entanto, a estimativa está acima da meta de déficit primário fixada pela LDO, de R$ 170,5 bi.

 

O valor é consequência direta do aumento de despesas aprovadas pela CMO, considerando também o espaço aberto pela aprovação da PEC dos Precatórios.

 

AUXÍLIO BRASIL E EMENDAS DE RELATOR

Hugo Leal também previu R$ 89 bilhões para o Auxílio Brasil no ano que vem, sugerindo que mais de 18 milhões de famílias em situação de pobreza e extrema pobreza deverão ser atendidas. No entanto, o valor não atende todas as pessoas que teriam direito ao benefício.

 

Quanto às emendas de relator, o projeto prevê destinação de R$ 16,5 bi, indicando dedicação principalmente à Saúde: cerca de R$ 4,7 bi para serviços de atenção primária e R$ 2,6 bi para serviços hospitalares e ambulatoriais. Além disso, cerca de R$ 2,1 bi estariam destinados à política nacional de desenvolvimento urbano, com foco na implantação e qualificação da malha viária.

 

DEFINIÇÃO DE TETO DE GASTOS A CADA 4 ANOS

O relator também sugeriu, enquanto lia a versão final de seu texto na CMO, a criação de uma emenda à Constituição (PEC) para permitir apreciação e redefinição, a cada quatro anos, por meio de Lei Complementar, o teto de gastos da União.

 

Segundo Leal, o objetivo da PEC seria "flexibilizar a alocação de recursos da União".

 

O projeto deve ser analisado na CMO anida nesta terça e os parlamentares pedem que seja votado em plenário do Congresso em sessão conjunta até no máximo amanhã (22), "último dia do ano" do Legislativo, que entra de recesso parlamentar até fevereiro.

Histórico de Conteúdo