Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Militares da FAB que não queiram se vacinar deverão assinar termo de recusa
Foto: Reprodução / FAB

A Força Aérea Brasileira (FAB) vai liberar o retorno dos militares não vacinados ao trabalho presencial. Os integrantes da coorporação, no entanto, deverão assinar um termo de recusa de imunização contra a Covid-19.

 

O documento está sendo entregue aos membros da FAB nas últimas semanas. Um dos trechos informa que "os militares que optarem por não tomar a vacina contra a Covid-19 deverão apresentar o termo de responsabilidade". O militar que firmar a recusa terá que preencher seu nome e dados pessoais. 

 

"Declaro para os devidos fins que me recuso a ser vacinado contra a Covid-19, mesmo sendo encaminhado para a vacinação pela minha Organização Militar e orientado quanto à importância da vacinação para a imunização e proteção da minha saúde, estando ciente ainda que a falta de imunização, neste caso, não importará em não exercício das minhas atividades profissionais habitais", versa outra passagem do termo. 

 

Conforme noticiado pelo jornal O Globo, a Força Aérea informou que "o preenchimento de termo de compromisso por militares que optaram por não tomar as vacinas disponibilizadas até o momento contra COVID-19 tem o objetivo de controle e acompanhamento do efetivo da Força Aérea Brasileira por meio de sua Diretoria de Saúde". Por meio de nota, a FAB disse ainda que ão existe qualquer tipo de sanção prevista para os militares não vacinados.

 

"Por conta da transmissão comunitária do novo coronavírus em todo o território nacional, não é possível afirmar a origem de contágio para casos da doença. Desde que foram reportados os primeiros casos do novo coronavírus no Brasil, a FAB tem empenhado esforços para garantir a saúde e proteção de seus integrantes, readequando atividades e implementando procedimentos de prevenção alinhados aos protocolos previstos", completou.

Histórico de Conteúdo