Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Segunda, 26 de Julho de 2021 - 09:05

Professores 'levam falta' no retorno às aulas e estudantes em Salvador são liberados

por Jade Coelho / Gabriel Lopes

Professores 'levam falta' no retorno às aulas e estudantes em Salvador são liberados
Colégio Central da Bahia | Foto: Jade Coelho / Bahia Notícias

Previsto para esta segunda-feira (26), o retorno das aulas no modelo semipresencial na rede estadual não foi como os estudantes do Colégio Central da Bahia esperavam. Segundo duas alunas do 2º ano da escola localizada no bairro de Nazaré, em Salvador, os professores não apareceram na instituição para as aulas.  Elas contam que os alunos foram recebidos, comeram, receberam orientações e foram liberados.

 

"O protocolo estava certo. Tem álcool em gel em todas as salas, existe distanciamento social. O colégio se preparou. Infelizmente os professores não vieram e estamos voltando para casa", disse Ana Beatriz Torres, estudante.

 

"Eu tenho dificuldade de aprender remotamente. Mas, voltaremos. E temos que aguardar eles [professores] fazerem um acordo novamente. Na quarta-feira tem uma reunião para ver o que vai acontecer", acrescentou.

 

Um dos alunos chegou atrasado ao colégio e os portões já estavam fechados. Ele não quis falar com a reportagem do Bahia Notícias.

Estudante chegou atrasado e encontrou portões fechados | Foto: Jade Coelho / Bahia Notícias

 

Chateados por não terem sido avisados da ausência dos professores pela escola, alunos do 1º ano voltaram para casa para ter aula remota ainda nesta segunda. Segundo eles, essa foi a recomendação da escola.

 

Os estudantes também afirmaram que os professores já haviam avisado ao colégio que não iriam presencialmente. Mesmo assim, a instituição pediu aos alunos para irem.

 

"Eu acho uma falta de segurança. Vem para cá, quando chega aqui tem que volta para casa, gastar um dinheiro desnecessário", disse um dos alunos que mora na Suburbana.

 

No início do mês, o sindicato APLB já havia informado que o governador Rui Costa enfrentaria dificuldade para concretizar o retorno. Uma pesquisa interna realizada pela própria APLB consultou 13 mil profissionais em todo o território baiano. Destes, 97% decidiram que só retornarão as aulas presenciais após concluírem o calendário vacinal com a aplicação da segunda dose (leia mais aqui).

Histórico de Conteúdo