Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Braga Netto nega que tenha feito ameaça contra eleições de 2022
Foto: Marcello Casal JrAgência Brasil

O ministro da Defesa, Braga Netto, negou nesta quinta-feira (22) que tenha feito ameaças contra a realização das eleições de 2022. A posição do general ocorre após reportagem do jornal Estadão publicar que ele teria enviado um recado ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP), no dia 8 de julho, dizendo que, se não for aprovado o voto impresso e auditável, não haverá eleições no ano que vem (lembre aqui).

 

Braga Netto falou sobre o assunto após um evento no Ministério da Defesa. "Hoje foi publicada uma reportagem na imprensa que atribui a mim mensagens tentando criar uma narrativa sobre ameaça feitas por interlocutores a presidente de outro poder. O Ministro da Defesa não se comunica com os presidentes dos poderes por meio de interlocutores. Trata-se de mais uma desinformação que gera instabilidade entre os poderes da República em um momento que exige a união nacional", afirmou o ministro.

 

"O Ministério da Defesa reitera que as Forças Armadas atuam sempre e sempre atuarão dentro dos limites previstos na Constituição", acrescentou.

 

Mais cedo, o presidente da Câmara Arthur Lira, já havia negado a ameaça e disse que a informação publicada é "mentira" (veja aqui).

 

Também na manhã desta quinta, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, afirmou que conversou com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP), e com o ministro da Defesa, Braga Netto, e os dois negaram ameaça às eleições no ano que vem.

 

"Conversei com o Ministro da Defesa e com o Presidente da Câmara e ambos desmentiram, enfaticamente, qualquer episódio de ameaça às eleições. Temos uma Constituição em vigor, instituições funcionando, imprensa livre e sociedade consciente e mobilizada em favor da democracia", escreveu Barroso em uma rede social.

Histórico de Conteúdo