Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Sábado, 17 de Julho de 2021 - 12:00

'Ciro Gomes até aqui não conseguiu ir além dos seus 10%', avalia Eduardo Leite

por Vitor Castro / Ailma Teixeira

'Ciro Gomes até aqui não conseguiu ir além dos seus 10%', avalia Eduardo Leite
Foto: Vitor Castro/ Bahia Notícias

Em sua passagem por Salvador, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), se reuniu com o ex-prefeito ACM Neto, presidente nacional do Democratas (veja aqui). O tucano está em campanha interna para ser o candidato do PSDB à Presidência da República, mas o Democratas também cogita lançar o ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e mantém conversas com o PDT, que tem como postulante o ex-governador do Ceará, Ciro Gomes.

 

Questionado sobre isso, Leite lembrou que é tempo de diálogo, mas lançou dúvida sobre a viabilidade eleitoral do pedetista. "Ciro é, nitidamente, alguém que tem o recall das suas candidaturas, já três candidaturas à Presidência da República, e tem, neste momento, as intenções de voto que até aqui ele têm tido nas suas eleições, em torno de 10%. O desafio é a capacidade de superar isso. Será que o contexto eleitoral apresenta a capacidade de superar? Como eu disse, a gente precisa ter humildade para reconhecer que, eventualmente, outra candidatura pode reunir as condições de superar esta polarização. No entanto, a gente precisa reconhecer que Ciro Gomes, até aqui, não conseguiu promover, ir para além dos seus 10%", avaliou Leite.

 

O governador pontua ainda menos que o cearense - na pesquisa Datafolha divulgada na última semana, Leite aparece com apenas 3% das intenções de voto (veja aqui)-, mas lembrou que suas outras eleições, para prefeito e governador, também começaram com baixa expectativa. Na avaliação dele, há espaço para o crescimento de uma "terceira via" ante a polarização entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o ex-presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

 

O ex-ministro Mandetta, inclusive, é um desses nomes especulados. Quanto a ele, Leite avaliou que os dois estão em situação semelhante. "É um nome que eu sinto que está na mesma vibe que eu. Vamos sentar, conversar, construir convergência, antes de nos colocarmos, tem um projeto de país que precisa ser colocado em primeiro plano", defendeu.

 

Em meio a isso, ele não entrou em detalhes sobre a conversa com o ex-prefeito ACM Neto (DEM). Leite apenas a classificou como "muito boa" e ressaltou que nada será definido agora.

Histórico de Conteúdo