Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Terça, 20 de Abril de 2021 - 10:00

Bruno diz que prefeitura não é responsável por pagamento de indenizações trabalhistas da CSN

por Bruno Luiz / Jade Coelho

Bruno diz que prefeitura não é responsável por pagamento de indenizações trabalhistas da CSN
Foto: Romildo Jesus/Secom

O prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM), afirmou nesta terça-feira (20) que a prefeitura não tem responsabilidade pelo pagamento de indenizações trabalhistas aos rodoviários da Concessionária Salvador Norte (CSN). A empresa operava parcela do sistema de transporte coletivo da capital baiana, sofreu intervenção e posteriormente teve o contrato rescindido e a caducidade declarada pela gestão municipal.

 

Os trabalhadores querem garantias de que receberão as rescisões devidas.

 

Segundo o prefeito Bruno Reis (DEM), a prefeitura não é parte do processo e tenta apenas ajudar a solucionar a questão. “Cabe à empresa CSN indenizar esses trabalhadores”, frisou o gestor nesta terça-feira (20) durante coletiva virtual.

 

O relatório da intervenção identificou que a CSN não possuía condições econômicas, técnicas e operacionais necessárias para manter a prestação do serviço. A empresa ainda deve encargos trabalhistas aos motoristas e cobradores, entre eles férias e pagamentos de INSS e FGTS.

 

Diante dessas questões, nesta segunda-feira (19) os rodoviários realizaram uma manifestação. Os ônibus não saíram das garagens de Salvador entre as 4h e 8h (lembre aqui).

 

Bruno Reis destacou que esses trabalhadores são oriundos de empresas anteriores, que deram origem à CSN e que assim como eles, a própria gestão municipal também tem créditos a receber por parte da empresa.

 

“A prefeitura está procurando ajudar, mas, diante do princípio da legalidade, temos uma série de restrições que nos impedem de ajudar neste momento”, comentou Bruno.

Histórico de Conteúdo