Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Luiz Galvão é exonerado da chefia das Prefeituras-Bairro de Salvador
Foto: Paulo Victor Nadal / Bahia Notícias

O prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM), exonerou o secretário de Articulação Comunitária e Prefeituras-Bairro de Salvador Luiz Galvão. Edição extra do Diário Oficial do Município deste sábado (13) nomeia Humberto Rodrigues Viana Junior para o cargo. 

 

Antes Humberto era titular da Diretoria de Ações e Proteção e Defesa do Consumidor (Codecon).

 

Luiz Galvão fez uma publicação de despedida nas redes sociais. Ele publicou uma foto ao lado de Bruno Reis e escreveu na legenda sobre encerramento de um ciclo de mais de 8 anos na Prefeitura de Salvador. 

 

"Durante a minha caminhada tive muitas surpresas e aprendizados. Hoje saio com a sensação de dever cumprido e muito feliz por, através do meu trabalho, ter tido a oportunidade de melhorar a vida de milhares de soteropolitanos. Gratidão!", escreveu o ex-secretário. 

 

Nos bastidores se especula que a exoneração de Luiz Galvão seja uma reação a nomeação do deputado federal João Roma (Republicanos) como Ministro da Cidadania. 

 

Roma aceitou o convite do presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) (leia aqui), mesmo tendo sido orientado por ACM Neto (DEM), seu aliado e padrinho político, a não assumir o cargo. 

 

Depois que a nomeação foi publicada Neto reagiu e fez críticas a atitude de Roma. O presidente nacional do DEM classificou como “lamentável” que o afilhado político tenha aceitado o cargo. "A decisão me surpreende porque desconsidera a relação política e a amizade pessoal que construímos ao longo de toda a vida", disse o presidente nacional do Democratas (leia aqui). 

 

O novo ministro da Cidadania, por sua vez, nega que tenha sido “desleal” com  ACM Neto (DEM). Roma disse à GloboNews que não era possível fugir de uma “missão partidária” (saiba mais aqui). 

Histórico de Conteúdo