Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Beneficiários do auxílio emergencial doaram mais de R$ 54 mi a candidatos nas eleições
Foto: Priscila Melo / Bahia Notícias

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) identificou que 64 mil pessoas beneficiadas com o auxílio emergencial fizeram doações a candidatos no primeiro turno aas eleições municipais deste ano. A informação foi divulgada nesta terça-feira (24) pela TV Globo.

 

De acordo com a reportagem, o relatório é do Núcleo de Inteligência da Justiça Eleitoral. O documento aponta que os repasses feitos pelos beneficiários somam mais de R$ 54,5 milhões.

 

Segundo a área técnica do TSE, houve, nas eleições, impacto significativo das verbas fornecidas pelo governo federal ao auxílio. Até o momento, cerca de R$ 589 milhões são investigados pelo tribunal. 

 

O levantamento traz a informações de que há 31.725 fornecedores de campanha entre beneficiários do Bolsa Família ou do auxílio emergencial. Empresas com esse propósito receberam, juntas, R$ 386 milhões.
Além disso, segundo o portal Metrópoles, também foram identificadas:

 

•    7.985 empresas criadas recentemente e com sócio filiado a partido político que receberam um total de R$ 68,7 milhões;
•    12.437 doadores sem emprego formal que repassaram um total de R$ 44,2 milhões;
•    2.751 doadores com renda incompatível com doações que somam R$ 23,7 milhões;
•    5.603 prestadores de serviço que têm parentesco com candidatos e que receberam um total de R$ 7,3 milhões;
•    1.949 fornecedores sem registro na junta comercial ou na Receita que receberam R$ 3,3 milhões;
•    24 doadores aparecem no Sistema de Controle de Óbitos e como responsáveis por doações de R$ 36 mil.

 

A partir do relatório da Justiça Eleitoral, juízes poderão determinar novas investigações, além de usar o material para julgar as contas eleitorais.

 

O Ministério Público Eleitoral também vai apurar os casos. Se um candidato tiver qualquer irregularidade confirmada, poderá ter seu mandato questionado na Justiça.

Histórico de Conteúdo