Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Terça, 17 de Novembro de 2020 - 19:40

Líder da oposição na Câmara indica que Podemos pode migrar para base de Bruno Reis

por Matheus Caldas

Líder da oposição na Câmara indica que Podemos pode migrar para base de Bruno Reis
Foto: Lucas Arraz / Bahia Notícias

Líder da oposição na Câmara Municipal de Salvador, o vereador Sidninho afirmou nesta terça-feira (17) que há possibilidade de o Podemos migrar para a base do recém-eleito prefeito Bruno Reis (DEM).

 

“É um caminho natural. Quando as portas se fecham, outras se abrem. No entanto, não há nada certo ainda”, explicou, em entrevista ao Bahia Notícias.

 

O parlamentar não indicou os motivos pelos quais o partido pode deixar a oposição no Legislativo soteropolitano. Contudo, o Bahia Notícias apurou com uma fonte do partido que há, desde 2019, a expectativa de um diálogo com o governador Rui Costa (PT). O sentimento de desprestígio seria um dos principais motivos para a legenda virar a casaca na capital baiana.

 

À nível estadual, há a expectativa que PSB e Podemos  ocupem espaços que atualmente são de PL e PDT, que migraram para a base de Bruno. Dentro do governo, o Podemos comanda a Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab), depois de perder, em 2019, a chefia do Detran. 

 

O BN tentou contato com o presidente estadual do Podemos, o deputado federal Bacelar. Contudo, não obteve resposta até a publicação desta matéria. Ele foi candidato a prefeito na última eleição e foi apoiado por Rui.

 

Já o presidente municipal da legenda, Carlos Moura, indicou ao BN que não existe insatisfação com o governo estadual. “Pura especulação midiática”, resumiu.

 

De acordo com Sidninho, mesmo que o Podemos não migre para a base do novo prefeito, a tendência é que saia do bloco de oposição, atualmente formada também pelo PT. “Caso permaneçamos, tendemos a compor um bloco independente na Casa. Não haverá esta oposição”, concluiu.

Histórico de Conteúdo