Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Quinta, 29 de Outubro de 2020 - 09:27

Trens do subúrbio serão desativados nos próximos dias, confirma Rui Costa

por Lucas Arraz / Ailma Teixeira

Trens do subúrbio serão desativados nos próximos dias, confirma Rui Costa
Foto: Prefeitura de Salvador

Com a construção do VLT do Subúrbio prestes a começar, os trens que fazem o transporte da região não demorarão a ser desativados. A data exata não foi anunciada, mas o governador Rui Costa (PT) confirmou que a medida será adotada em pouco tempo.

 

"Do VLT, a gente já começou o canteiro de obras. Nos próximos dias, a gente deve estar paralisando o trem pra iniciar a obra. É por isso que a gente antecipou, pra colocar ônibus alternativos pra poder atender a população", disse o petista ao ser questionado pela imprensa na manhã desta quinta-feira (29).

 

Ele se refere aos ônibus elétricos, entregues hoje para operar na região. De acordo com o governador, serão cinco veículos que seguirão de Ilha de São João até a Estação Pirajá, de modo que os passageiros possam acessar o metrô e fazer a integração com o sistema de transporte público normalmente.

 

 A tarifa será de R$ 4,20, mesmo valor dos ônibus comuns, porém R$ 3,70 a mais do que a passagem de trem, que custa R$ 0,50. Questionado pelo Bahia Notícias se há algum plano para mitigar o impacto do aumento para a população que usa os trens, o governador argumentou que não há possibilidade de ter “várias tarifas na mesma cidade”.

 

“Aqui nós já pagamos um forte subsídio porque pra garantir um bilhete único, que é o único do país que faz isso, nem São Paulo, faz, o estado está bancando essa diferença”, justifica o gestor, ressaltando que é feito um esforço “gigantesco”, com “milhões” destinados a pagar o subsídio do transporte público.

 

“O trem vai de 40 a 40 minutos, não existe mais peça, não existe mais condição de rodar, entao não é um serviço que a gente possa caracterizar digno pra população. O intervalo do VLT vai ser três ou quatro minutos, que é o intervalo do metrô, então não tem como você comparar custos e preços com um equipamento velho de 50, 70 anos”, acrescenta. (Atualizada às 10h03)

Histórico de Conteúdo