Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Em meio à pandemia, mortes violentas crescem na Bahia no primeiro semestre de 2020
Foto: Reprodução/Thinckstock

Mesmo com as medidas restritivas impostas pela pandemia, que impôs mudanças drásticas nos modos de vida, o número de vidas ceifadas pela violência na Bahia cresceu no primeiro semestre de 2020. De janeiro a junho foram 3.249 ocorrências, contra 2.951 contabilizadas no mesmo período de 2019. A constatação é do Anuário da Segurança Pública 2020, organizado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública e divulgado nesta segunda-feira (19). 


A Bahia segue a tendência nacional, esfera na qual também foi confirmado o crescimento de mortes violentas intencionais. Somente neste primeiro semestre, o Brasil contabilizou 25.712 ocorrências de homicídios, um acréscimo de 7,1% em relação ao mesmo período de 2019. A estimativa é que uma pessoa é assassinada a cada 10 minutos em solo brasileiro. 


O levantamento confirma também um crescimento no número de mortes em decorrência de intervenção policial no período. Nos primeiros seis meses de 2020, 512 pessoas foram a óbito em consequência de ações policiais. Em relação ao mesmo período do ano anterior, o incremento é de 41,8%. 


FEMINICÍDIOS

No caso de vítimas do sexo feminino, os dados do Anuário ratificam apuração anterior já feita pelo Bahia Notícias, constatando o aumento do número de feminicídios, crime baseado no gênero, mesmo com decréscimo no número de homicídios dolosos contra mulheres (veja aqui e aqui). 


O levantamento aponta a ocorrência de 57 feminicídios no primeiro semestre de 2020, enquanto 48 foram registrados em 2019. Os homicídios de mulheres reduziram de 174 para 169. 


Os destaques de crimes contra o patrimônio, assim como armas de fogo e entorpecentes nas especificam informações relativas ao estado da Bahia. 

 

O levantamento ainda dispõe de dados comparativos relativos à violência no Brasil e nas unidades da federação entre os anos de 2018 e 2019 e de igual forma, uma série histórica, que considera o intervalo de nove anos – entre 2011 e 2019 (veja). 

Histórico de Conteúdo