Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Gestão passada do Yacht Clube da Bahia aciona MP-BA contra nova direção
Foto: Reprodução / Gustavo Mello

A gestão 2015 a 2019 do Yacht Clube da Bahia acusa judicialmente a nova direção de tentar “a todo custo”  macular a imagem e a honra da diretoria anterior. Em notícia crime apresentada ao Ministério Público da Bahia, o grupo declarou que alguns membros do atual conselho deliberativo com o apoio de alguns diretores tentam encontrar, de forma desesperada, possíveis erros em todos os processos praticados durante a gestão por funcionários, “buscando a qualquer custo encontrar alguma justificativa para a descabida e injustificável reprovação das contas 18/19”. 

 

“Nunca existiu nenhuma irregularidade nas contas 18/19 para que tivessem sido reprovadas em 21/10/19. Após reprovadas, as mesmas contas foram modificadas em dois itens desprezíveis e, por fim, aprovadas por unanimidade pelo Conselho Deliberativo em 20/05/20. Tudo isso fez parte de uma perseguição absurda que vem sendo feita ao longo do último ano por parte de alguns membros do atual Conselho Deliberativo com o apoio de alguns Diretores, estes com o objetivo explícito de tentar - a todo custo - macular a imagem e a honra da diretoria anterior”, diz a notícia crime assinada pelo ex-comodoro Marcelo Sacramento de Araújo. 

 

O grupo acusa a atual gestão de agir pressionados pelo desligamento do Comitê Brasileiro de Clubes num documento oficial assinado pelo presidente do CBC e encaminhado ao atual Comodoro, com bloqueio de recursos na conta do clube e a ameaça de não mais receberem verbas para os esportes, bem como o risco da perda de isenções públicas já existentes: “Foram obrigados a voltar atrás aprovando as mesmas contas, com o parecer da segunda auditoria, que outra vez atestou a idoneidade das mesmas contas, pela segunda vez”. 

 

As acusações já deram origem a uma primeira ação judicial cível (lembre aqui). Agora, a gestão anterior promoveu uma medida criminal, a fim de apurar os fatos no Ministério Público da Bahia. 

 

“Promoveremos tantas quantas ações se façam necessárias, com o objetivo de mostrar, apurar e provar, com fatos e documentos, toda essa perseguição insana. Sugerimos aos que têm suas diferenças pessoais conosco que procurem os órgãos legalmente competentes para conhecimento e decisão de litígios dessa natureza, deixando, assim, de fazer uso da instituição Yacht Clube da Bahia com a finalidade de divulgar informações inverídicas, enxovalhando a honra e imagem de pessoas sérias e de bem, além de expor associados, funcionários, conselheiros, prestadores de serviços, submetendo-os a vexames e constrangimentos, além de colocar em risco a instituição e o patrimônio dos associados”, diz outro trecho da notícia crime. 

Histórico de Conteúdo