Bolsonaro desiste de Feder e procura outro nome para o Ministério da Educação
Foto: Divulgação/Secretaria da Educação e do Esporte do Paraná

O presidente Jair Bolsonaro procura outro nome para comandar o Ministério da Educação, depois de ouvir críticas de seus grupos de apoio e resistências dentro do governo ao nome de Renato Feder, secretário da área no Paraná.

 

Segundo o relato de assessores próximos do presidente, ele faz consultas acerca de outros nomes, mas insiste que o próximo ministro da Educação precisa estabelecer uma gestão técnica e ter uma relação harmoniosa com outros poderes, como o Congresso, onde as regras do novo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) precisam ser definidas até dezembro, apontou o G1.

 

Bolsonaro havia ligado para Renato Feder na noite de quinta-feira (2) e chegou a convidá-lo para ir a Brasília nesta segunda (6), numa sinalização de que ele seria nomeado ministro. A ideia não foi adiante.

 

Essa é a segunda vez que Feder foi descartado para o comando do MEC. Ele chegou a encontrar o presidente no Planalto há cerca de 10 dias, antes de Bolsonaro escolher Carlos Alberto Decotelli, que por inconsistências no currículo não chegou a ser efetivado.

 

O nome de Feder, empresário da área de tecnologia, teve muita resistência entre os grupos ideológicos com influência no governo e que até a saída de Abraham Weintraub tinham controle do MEC. Mas lideranças evangélicas, inclusive no Congresso, também manifestaram receio de que Feder não estaria alinhado com ideias conservadoras do grupo.

Histórico de Conteúdo