Bruno Dauster diz ter agido com ética e afirma que deixou governo para 'evitar a politização'
Foto: Divulgação

Após ter seu nome associado à compra mal sucedida de respiradores que culminou na prisão de três pessoas (clique aqui e saiba mais), o ex-secretário da Casa Civil do estado da Bahia, Bruno Dauster, rebateu acusações e afirmou que sempre agiu “com absoluta transparência e rigor ético”. 

 

“Minha atuação no caso objeto de investigação noticiado na imprensa foi sempre para que pudéssemos ter ventiladores para as UTIs dos nossos hospitais durante a grave crise da Pandemia, no momento em que a carência deste equipamento se dava em uma escala global nunca antes imaginada”, afirmou Dauster, em nota, destacando ainda que é “inaceitável qualquer tentativa de fraude ou golpe contra o Estado, ainda mais num período de pandemia, quando havia uma urgência absoluta para poder salvar vidas”.

 

Segundo o ex-titular da Casa Civil, o pedido de exoneração partiu dele próprio, “por motivos pessoais e para evitar a politização destas circunstâncias”. Douster reiterou também que deseja contribuir com as autoridades “para que os fatos sejam esclarecidos o mais rapidamente possível e que sejam caladas as vozes que tentam deturpar minha atuação”.

Histórico de Conteúdo