App 'Monitora Covid-19' classifica pacientes por cores a depender de sintomas
Foto: Divulgação

O aplicativo “Monitora Covi-19” classifica os pacientes que acessam o sistema a partir de cores, a depender dos sintomas relatados. A informação foi divulgada pela Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), que ao lado da Secretaria de Saúde (Sesab) é responsável pelo desenvolvimento da plataforma.

 

Segundo a secretária Adélia Pinheiro, foram definidas quatro cores: a pessoa que não apresenta sintomas compatíveis com a Covid-19 é verde. Nesse caso, ela receberá orientações gerais sobre as medidas de prevenção, como distanciamento, higiene das mãos e etiqueta respiratória. Já caso tenha sintomas compatíveis, aí o paciente pode ser classificado como amarelo, laranja ou vermelho, de acordo com o nível dos sintomas que apresenta.

 

"Nessas situações, ele receberá um contato em no máximo 24h de um profissional médico, que compõe o que a gente chama de retaguarda do aplicativo. Esse médico vai conversar com o paciente, orientá-lo em relação às medidas, e em último caso encaminhá-lo à unidade de saúde”, explicou a gestora.

 

O paciente pode ainda ser reclassificado, tanto a partir da atualização dos dados dos sintomas pelo próprio paciente, pelo app, quanto a partir do contato feito pelo médico.

 

Lançado pelo governador Rui Costa no dia 9 de abril, o aplicativo “Monitora” possibilita o registro de informações de pessoas com suspeita da Covid-19, além do georreferenciamento destes dados para orientar as ações do governo do Estado tanto na capital quanto no interior. O app está disponível gratuitamente na plataforma Android, sendo, posteriormente, disponibilizado para iOS. Para localizá-lo, é preciso fazer a busca digitando “monitoracovid”, com as duas palavras juntas, e fazer a seleção do aplicativo “Monitora Covid-19”, de cor azul, de autoria do “Governo da Bahia”, ou acessar diretamente este link: https://bit.ly/2UYHR9L

 

Rui Costa pediu que todos baixem a ferramenta e ressaltou a importância de permitir que o aplicativo tenha acesso à localização dos usuários. “Vamos monitorar, em toda a Bahia e os outros estados do Nordeste vão fazer o mesmo, onde estão os casos suspeitos e quem apresenta sintomas. Além disso, vamos tirar as dúvidas das pessoas sobre a doença e as medidas tomadas pelo governo para combater o novo coronavírus. Nós queremos georeferenciar os casos na Bahia e em Salvador. Saber em que bairro ou em que cidade estão aparecendo mais casos, de modo a ter uma demonstração visual da realidade da doença em todo o território estadual”, explicou o governador.

 

Experiências com aplicativos de governos têm dado resultados positivos em vários países, graças à possibilidade de identificar a localização dos contaminados e, eventualmente, identificar quem teve contato com o paciente. Além disso, os recursos das gestões são melhor aplicados a depender da demanda.

 

O acesso ao aplicativo, desenvolvido Secti e pela Sesab em parceria com a FESF-SUS, é feito por meio de um cadastro simples (nome, CPF, nome da mãe e número do cartão SUS).

Histórico de Conteúdo