'Temos líderes que querem o melhor', diz Targino ao aceitar prioridade para PEC
Foto: Divulgação

Líder da oposição na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), Targino Machado (DEM), ressaltou que o entendimento que possibilitou a votação da Proposta de Emenda à Constituição da reforma da previdência estadual não se baseou apenas na relação dele com o líder do governo, Rosemberg Pinto (PT). 

 

“Temos líderes que querem o melhor para a Bahia e os baianos”, disse Targino. Antes de aceitar a proposta do governo de prioridade para a tramitação da reforma no Legislativo estadual, Targino soltou nota à imprensa classificando a PEC como 'presente de grego' (veja aqui). Com a anuência do líder da oposição, a reforma agora poderá tramitar exigindo apenas metade do tempo regimental. 

 

O Bahia Notícias mostrou nesta quinta-feira (19) que o governador da Bahia, Rui Costa (PT), e o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), se comprometeram a mobilizar suas bases políticas em prol da aprovação da reforma da previdência para servidores públicos da capital baiana e do estado (veja aqui). 

 

O governador Rui Costa convocou a Assembleia Legislativa para trabalhar extraordinariamente durante o recesso com o fim específico de apreciar a PEC. Rosemberg detalhou a agenda do período: no dia 7 de janeiro a Comissão de Constituição de Justiça (CCJ) se reúne para definir o relator da matéria. Uma semana depois, dia 14, a CCJ vota o parecer e nos dias 21 e 28 os deputados deliberam em plenário. Rosemberg assumiu o compromisso de atuar para que os partidos que compõem a base do governo apóiem matéria semelhante que seja apreciada nos legislativos de cada município baiano. Ele disse ter ciência que a prefeitura de Salvador já se move para encaminhar proposição de mesmo teor para a Câmara de Vereadores e que apoiará o voto favorável. O líder disse ainda que o ente federativo que não se adequar à nova legislação federal poderá ser impedido de fazer convênios e receber repasse de verbas a partir de junho.

Histórico de Conteúdo