Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Terça, 20 de Agosto de 2019 - 11:00

Após pesquisa, aliados de ACM Neto avaliam que pulverização favorece grupo de Rui Costa

por Rodrigo Daniel Silva

Após pesquisa, aliados de ACM Neto avaliam que pulverização favorece grupo de Rui Costa
Foto: André Carvalho / Agência Haack / Bahia Notícias

Após o levantamento do Instituto Paraná Pesquisas divulgado nesta segunda-feira (19) pelo Bahia Notícias (veja aqui), os aliados do prefeito ACM Neto (DEM) avaliaram em conversas reservadas que, se houver pulverização na base do governador Rui Costa (PT) na eleição de 2020, o grupo do petista será favorecido.

A pesquisa fez dois cenários. No primeiro, com pelo menos sete nomes ligados a Rui Costa, o vice-prefeito Bruno Reis (DEM) aparece com 12,9%. Já, no segundo cenário, com ao menos três nomes próximos ao governador, Bruno Reis sobe e bate 19,2% das intenções de votos. O vice-prefeito é hoje apontado como candidato natural ao Palácio Thomé Souza pelo grupo ligado a ACM Neto.

"A pulverização hoje favorece o governo. Mas, na eleição passada, não favoreceu", afirmou o deputado estadual Alan Sanches (DEM), que aceitou falar publicamente e já demonstrou interesse em ser candidato a vice na chapa de Bruno Reis. 

A estratégia de pulverização divide a base de Rui Costa. Dentro do grupo do governador, há quem aposte que haverá três ou quatro postulantes. O senador Angelo Coronel (PSD) afirmou em julho que era contra essa tática. Para ele, a pulverização favorece o candidato do prefeito. "Se não tiver unidade da base do governo estadual, só vai favorecer a base de ACM Neto", afirmou (reveja aqui).

Na campanha de 2016, Alice Portugal (PCdoB), Pastor Sargento Isidório (Avante) e Cláudio Silva (PP) foram postulantes com apoio de Rui Costa e perderam para ACM Neto, que foi reeleito. No grupo do prefeito, o gestor democrata tem descartado a hipótese de ter mais de um nome disputando o Palácio Thomé de Souza (relembre aqui).



Histórico de Conteúdo