Desemprego se manteve estável no trimestre encerrado em maio, aponta IGBE
Foto: Ana Volpe / Agência Senado

Se comparada com o trimestre até fevereiro, a taxa de desemprego no Brasil se manteve estável no período que abrange os meses de março, abril e maio deste ano. Enquanto isso, a subutilização atingiu um novo recorde.

 

Segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nesta sexta-feira (28), entre março e maio, 13 milhões de brasileiros estavam desempregados, o equivalente a 12,3% da população. No mesmo período, 28,5 milhões de pessoas, ou seja, 25% da população, não trabalharam ou trabalharam menos do que gostariam.

 

Já o número de trabalhadores por conta própria cresceu 1,4% em relação ao trimestre encerrado em fevereiro. De acordo com a Folha de S. Paulo, com 24 milhões de autônomos em maio, esse número também é o recorde da série histórica, iniciada em 2012. Em relação ao mesmo período de 2018, a alta é de 5,1%.

 

Outro recorde é no número de desalentados, que são as pessoas que gostariam de trabalhar, mas não procuraram emprego. No trimestre em questão, 4,9 milhões de brasileiros ou 4,4% da população estavam nesse quadro, mas o número é estável com o trimestre anterior e também com o mesmo período do ano passado.

 

Com base nesses dados, o instituto pontua que a renda do trabalhador caiu 1,5% na comparação com o trimestre anterior, chegando a R$ 2.289 no período encerrado em maio.

Histórico de Conteúdo