Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Quarta, 19 de Junho de 2019 - 09:20

Coronel é único senador da Bahia a votar pela manutenção dos decretos de armas

por Ailma Teixeira

Coronel é único senador da Bahia a votar pela manutenção dos decretos de armas
Foto: Bahia Notícias

Dos três senadores que representam a Bahia no Congresso Nacional, apenas Angelo Coronel (PSD) votou contra o Projeto de Decreto Legislativo (PDL) 233/2019, que visa suspender os decretos assinados pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) para ampliar o acesso à posse e ao porte de armas. De autoria do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), a matéria foi aprovada por 47 votos a 28 e, como tem caráter de urgência, segue direto para o plenário da Câmara.

 

Antes mesmo da votação, na noite dessa terça-feira (18), Coronel divulgou um vídeo em seu Twitter para adiantar sua posição aos eleitores. "Eu sou a favor da defesa da propriedade, então eu não posso, em hipótese alguma, ser omisso nesse quesito", ressaltou.

 

 

Já seu correligionário, o senador Otto Alencar agiu de forma diferente. Ele e Jaques Wagner, do PT, seguiram com a maioria e votaram pela suspensão dos decretos (saiba mais aqui).

 

Também na rede social, o petista compartilhou um vídeo do momento em que proferiu seu voto no plenário. Nas imagens, Wagner lembra que governou a Bahia por dois mandatos para justificar porque é "totalmente contrário" aos atos do governo federal.

 

"Eu fui governador por oito anos, sofri com a morte de muito jovens, mortos pelo crime, mortos na disputa entre quadrilhas ou, às vezes, tombados no confronto com a Polícia Militar e a Polícia Civil. Mas não é distribuindo armas [que se resolve]". Ele defende que é preciso um longo treinamento para capacitar o cidadão a manusear uma arma antes de lhe dar permissão para o uso. "Com o efeito surpresa de um assalto ou de uma agressão, a mão vai tremer tanto que é possível que o detentor da arma seja morto com a própria arma que ele carregava na cintura", acrescenta.

 

 

O Bahia Notícias procurou o senador Otto para ouvir sua justificativa, mas não houve retorno.

Histórico de Conteúdo