Sindae reage a anúncio de PPP da Embasa e diz que Rui tem obsessão por parcerias privadas
Foto: Divulgação

O Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente da Bahia (Sindae) classificou como “equívoco” o anúncio do governador Rui Costa de que vai investir em saneamento básico por meio de parcerias público-privadas, as famosas PPPs (veja aqui).

 

Em nota, o sindicato chamou a ideia de Rui de “uma incompreensível obsessão por essa parceria privada”. “O governador está deixando de lado estudos da Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa) que não recomendam essa opção e está menosprezando um exemplo danoso bem perto dele, que é a PPP do emissário submarino da Boca do Rio”, escreveu o Sindae.

 

De acordo com a entidade, a PPP desse emissário foi um contrato assinado no final do governo Paulo Souto, em dezembro de 2006, e que, logo no início da gestão de Jaques Wagner, teve brutal redução. O valor caiu de R$ 738 milhões para R$ 619 milhões. “Uma cifra escandalosa num contrato assinado com a Odebrecht, mostrando antiga relação do governo baiano com a construtora que hoje figura no centro de um brutal esquema de corrupção com o poder público”, argumentou. 

 

O sindicato também defendeu que o contrato seja discutido com a sociedade antes de ser firmado: “A Embasa lida com água, bem essencial à vida, que não pode ser gerida na ótica de empresários ávidos por lucro”. 

Histórico de Conteúdo