Sexta, 19 de Outubro de 2018 - 00:00

Avante apoia Haddad após Rui desmentir fake news para Isidório

por Lucas Arraz

Avante apoia Haddad após Rui desmentir fake news para Isidório
Foto: Reprodução / Congresso em Foco

Deputado federal eleito com a votação mais expressiva da Bahia, o pastor sargento Isidório (Avante) foi mais uma vítima de notícias falsas nas eleições deste ano. Convencido por meio de imagens com informações falsas e correntes de Whatsapp que Fernando Haddad (PT), candidato do PT à Presidência da República, era homossexual e tinha criado o “kit gay”, o aliado de Rui Costa (PT) votou em Cabo Daciolo (PATRI) no primeiro turno das eleições deste ano e enfrentava com resistência a ideia de apoiar o ex-prefeito de São Paulo no segundo. 

 

A percepção de Isidório mudou após o governador reeleito reunir aliados no Palácio de Ondina, nesta semana, para pedir empenho em favor de Haddad no estado (lembre aqui). Na ocasião, Rui explicou pontos do programa de Haddad que não tinham ficado claros por meio das peças falsas distribuídas no aplicativo de mensagens do pastor. 

 

“Eu falei para Rui que não iria votar em viado, mas o governador me explicou que Haddad era casado e tinha filhos”, narrou Isidório, aliviado. O deputado estadual se diz ex-gay e tem comportamentos e falas consideradas homofóbicas. “Era tudo fake news, não existiu kit gay nas escolas e não existe no programa do PT pontos como liberação de drogas e do aborto”, concluiu. Por meio de imagens falsas, o deputado também foi levado a crer que a candidata a vice-presidente na chapa petista, Manuela D’Ávila (PCdoB), tinha tatuagens do militante Che Guevara.

 

Uma pesquisa recente realizada pela Agência Lupa revelou que apenas 8% de imagens em grupos de WhatsApp trazem informações verdadeiras sobre as as eleições deste ano (veja aqui). As imagens falsas analisadas pelo estudo iam de fotos em que Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Fernando Henrique Cardoso (PSDB) afirmaram que planejavam assaltar bancos juntos até um registro que mostrava Dilma Rousseff como aluna de Fidel Castro, dirigente cubano. 

 

“Eu estava contaminado, mas soube pedir desculpas pela minha precipitação [baseada em notícias falsas]”, contou Isidório. “Mentira tem perna curta e espero que o povo consiga se levantar e pare de ser enganado até as eleições”, completou o pastor.  

 

Nesta quinta-feira (18), a campanha de Jair Bolsonaro foi acusada de receber doações empresariais ilegais  para contratar serviços de distribuição de informações contra o PT no aplicativo de mensagens (entenda aqui). 

 

Convencido do caráter familiar e religioso de Haddad, Isidório começou a mobilizar sua base, que lhe rendeu a maior votação para deputado federal, em prol da campanha petista. “Fiz uma reunião com 400 pessoas para pedir votos para o candidato”, falou. O filho do pastor, João Isidório (Avante), também foi consagrado deputado estadual com a maior votação do estado. Atualizada às 14h15

Histórico de Conteúdo