Sexta, 12 de Outubro de 2018 - 12:40

Na base de Rui, PHS abre portas de saída para quem não migrar: ‘Quem não seguir, abraço’

por Bruno Luiz / João Brandão

Na base de Rui, PHS abre portas de saída para quem não migrar: ‘Quem não seguir, abraço’
Foto: Reprodução / YouTube

Agora na base do governador Rui Costa (PT), o presidente do PHS e deputado estadual recém-eleito, Júnior Muniz, ainda não sabe se conseguirá levar com ele os quatro vereadores da sigla que atualmente estão no grupo do prefeito ACM Neto (DEM) na Câmara de Vereadores.

 

Até o momento, apenas Muniz e o deputado federal eleito Abílio Santana confirmaram suas migrações para o ninho do petista. Também eleito pela sigla como deputado federal, o vereador Igor Kannário ainda não sabe se vai pular do barco “netista” com os correligionários – Muniz pretende conversar sobre a possibilidade com o cantor. Entre eles, apenas Santana não tem ou teve vinculações com ACM Neto.

 

Em entrevista ao Bahia Notícias, Muniz mandou recado para quem não quiser seguir a cartilha da legenda, agora governista. 

 

“Não tem outro caminho. Vou conversar com todos os vereadores. Quem quiser me seguir, siga. Quem não quiser, abraço. O partido acompanha agora o governador Rui Costa e vamos pra luta, vamos para cima”, declarou. 

 

O presidente estadual do PHS também negou que tenha solicitado a Rui espaço no secretariado do próximo governo. “Só pedi o governo que me tratasse como aliado, que me trate bem. Não quero espaço. Me tratando bem, estou do lado dele”, afirmou.

 

O ingresso do PHS na base de Rui foi selado em reunião ocorrida nesta quinta (11), no Palácio de Ondina. Além de Muniz e Abílio, o governador conseguiu arregimentar também um antigo oposicionista, o deputado estadual Carlos Geilson (PSDB). Segundo a coluna de Levi Vasconcelos, do jornal A Tarde, o atualmente tucano se viu desamparado pelo grupo após perder a reeleição e resolveu mudar de ninho.

 

Com Muniz, Rui amplia ainda mais sua bancada na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA). Agora, o número chega a 43 dos 63 da Casa. Uma expressiva maioria. 

Histórico de Conteúdo