Com alusão a tortura, filho de Bolsonaro rebate movimento 'Ele não'
Foto: Reprodução / Pleno News

Um dos filhos do candidato Jair Bolsonaro (PSL), Carlos Bolsonaro resolveu rebater o movimento "Ele não", que é contrário à eleição de seu pai para a Presidência da República. Em seu Instagram Stories, ele compartilhou a imagem de um homem sendo torturado.

Foto: Reprodução / Instagram Stories Carlos Bolsonaro

 

"Sobre pais que choram no chuveiro!", diz a mensagem de Carlos. Em outras oportunidades, seu pai já negou o golpe militar sofrido pelo Brasil em 1964 e defendeu torturadores. Na votação do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), por exemplo, o capitão chegou a saudar o coronel Brilhante Ustra, conhecido como torturador da petista.

 

Diante desse histórico, ao usar essa imagem, Carlos fez uma alusão à tortura e também à homofobia, já que Bolsonaro declarou que preferia ter um filho morto a homossexual. No stories seguinte, Carlos exibiu uma imagem do pai sorrindo, acompanhada da hashtag "ele sim".

 

Todo o movimento contra a eleição de Bolsonaro tem sido repercutido nas redes sociais de brasileiros e estrangeiros. Diversos artistas, como Pabllo Vittar, Zeca Baleiro, Afonso Herrera e Dua Lipa se opuseram ao projeto do candidato do PSL. Líder nas pesquisas de intenções de votos (veja aqui), Bolsonaro é acusado de ser machista, racista e homofóbico. Algumas de suas declarações mais preconceituosas foram quando ele disse ter fraquejado com o nascimento de uma menina após quatro filhos homens e quando ele disse que preferia ter um filho morto por acidente a vê-lo em um relacionamento homossexual.

Histórico de Conteúdo