Vereador entra com ação na Justiça para suspender disciplina do ‘golpe de 2016’ na Ufba
Foto: Divulgação

O vereador de Salvador, Alexandre Aleluia (DEM), entrou com uma ação popular na 16ª Vara Federal em Salvador, nesta sexta-feira (2), para tentar suspender a disciplina "Tópicos Especiais em História: O golpe de 2016 e o futuro da democracia no Brasil", que será oferecida pelo Departamento de História da Universidade Federal da Bahia (Ufba) (veja aqui). Para o vereador, que é líder do DEM na Câmara Municipal, as universidades são “aparelhadas” e “servem quase que unicamente para formar militantes e não pensadores”. “O que ocorre na Ufba é uma afronta ao povo brasileiro que paga impostos para que haja ensino e pesquisa realizados seriamente. A universidade deve debruçar-se sobre os fatos, a realidade e estudá-la. Mas a disciplina em questão impõe um delírio como realidade", disse o vereador. O democrata salientou, ainda, que também vai à Justiça contra a disponibilização da disciplina em outras universidades, tais como a de Brasília (UnB) e a Federal do Amazonas (Ufam).  “Eu defendo a autonomia universitária e é exatamente por fazer essa defesa que vejo que a universidade não deve estar subordinada a um partido e à sua agenda”, disse. "Reitor, diretores de unidade e professores anulam essa autonomia quando entendem ser normal criar uma disciplina para defender o PT", apontou. Procurado pelo Bahia Notícias, o reitor da Ufba, João Carlos Salles, disse que ainda não tomou conhecimento sobre a ação e seu conteúdo, mas defendeu que os professores tenham liberdade para propor disciplinas na instituição. "A reitoria considera muito importante o respeito à liberdade de cátedra no ambiente autônomo das universidades públicas, em conformidade com os processos legais e legítimos que amparam a oferta de disciplinas em nossas instituições", declarou. (Atualizada às 17h16)

Histórico de Conteúdo