Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Segunda, 19 de Dezembro de 2016 - 13:20

Nilo desiste de buscar vaga no Senado em 2018 e coloca culpa no PSD e no PP

por Fernando Duarte / Rebeca Menezes / Luana Ribeiro

Nilo desiste de buscar vaga no Senado em 2018 e coloca culpa no PSD e no PP
Foto: Fernando Duarte / Bahia Notícias
Diante da movimentação nos bastidores em torno da presidência da Assembleia Legislativa da Bahia, que por sua vez já está relacionada aos possíveis cenários para 2018, o presidente da Casa, Marcelo Nilo (PSL), declarou que não se candidatará ao Senado nas próximas eleições, como cogitava no início do ano (veja aqui). O anúncio foi feito em almoço realizado por ele na AL-BA para fazer o balanço das atividades. “Não sou candidato a senador em 2018. Serei candidato a deputado federal. Eu não quero ser candidato a senador”, disse, jogando a responsabilidade para o senador Otto Alencar (PSD) e para o vice-governador João Leão (PP). Ambos compõem a banca de apostas para o Senado em 2018, e os dois partidos lançaram candidatos para disputar com Nilo a presidência: Ângelo Coronel (PSD) e Luiz Augusto (PP). Os resultados das eleições municipais (clique aqui) temperam as negociações, já que o PSD liderou em número de prefeitos eleitos (83), seguido pelo PP (55), o que acirrou a concorrência. "Já formei a minha chapa para a Assembleia e não tem vaga para PSD e para o PP. Mesmo que o governador Rui Costa peça", destacou, atribuindo o atual panorama a uma combinação entre Otto e Leão. "Os presidentes do PSD e do PP se juntaram para me derrotar", declarou. Nilo diz já ter o apoio do PT na corrida, a quem reservou a vice-presidência. A Mesa Diretora será composta ainda pelo PDT – Pastor Sargento Isidório e Roberto Carlos decidem quem assume a cadeira – e três vagas ficam selecionadas para a oposição. Há rumores, porém, de que a oposição pleiteia 4 das 9 vagas disponíveis - uma delas pertencente ao próprio Nilo. 

Histórico de Conteúdo