Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Rui compara cenário político a '7x1': 'tínhamos craques individuais e demos um vexame'
Foto: Valter Campanato / Agência Brasil
Após rumores de que teria se afastado do processo de escolha da chapa da oposição à prefeitura de Salvador, o governador Rui Costa questionou a forma como as chapas são compostas. “Tento trabalhar desde o ano passado sobre essas eleições. Infelizmente, as pessoas (que negociam a chapa) podem não ser  tão atentas quanto o governador foi. Tenho uma concepção muito clara: desde quando você tinha que trabalhar, quais são os nomes, que tornariam a caminhada mais fácil? Mas toda caminhada mais difícil é possível vencer", afirmou, nesta quarta-feira (27). Segundo informações do jornal A Tarde, Rui sugeriu os partidos da oposição não levaram em consideração sua experiência. "Não sou dono da razão. Acho que a forma como eu ganhei a eleição (de governador) creio que aprendi alguma coisa", disse, negando que tenha se afastado após o partido não ter aceitado sua proposta de lançar Olívia Santana (PCdoB) como candidata a prefeita da coligação PT/PCdoB/PSB. "Não é meu estilo, não trabalhei para impor ninguém. As pessoas só precisam colocar na ordem de prioridades as coisas", acrescentou, em menção a uma excessiva preocupação dos partidos aliados com a eleição dos vereadores, em detrimento do prefeito. "Quando define um nome de candidato a prefeito e depois passa a discutir como principalidade chapa de vereador não é correto. Em momento nenhum na minha eleição discuti se o PT ia eleger mais ou menos deputados. Queria ganhar eleição de governador. E o PT se saísse sozinho (sem coligação), elegeria mais deputados que elegeu", afirmou Rui. Ele se classificou com o perfil de planejamento a longo prazo. “As chances de sucesso são muito maiores. Alemanha ganhou a Copa do Mundo não porque tinha craque individualmente, mas porque fez um planejamento de longo prazo, treinou, capacitou e deu um show no Brasil. Nós tínhamos craques individuais e demos um vexame”, comparou, negando “calundu”. “Não é calundu, é perceber que o que deveria ser feito não está sendo feito ou não foi feito no tempo adequado, assim como as definições que precisam ser tomadas. Pois aí você vai aumentando as dificuldades  do seu esforço para chegar ao sucesso", explica. 

Histórico de Conteúdo