Segunda, 11 de Agosto de 2014 - 00:00

Relações financeiras na campanha pioraram, reclama Wagner

por Fernando Duarte

Relações financeiras na campanha pioraram, reclama Wagner
Foto: Elias Dantas/ Ag. Haack/ Bahia Notícias
Campo minado para candidatos, o custo da campanha piorou de 2010 para 2014, na opinião do governador Jaques Wagner (PT). Sem falar diretamente em compra de lideranças, Wagner criticou o rumo das relações para apoio no interior do estado. “Eu nunca vi nada igual ao que estou vendo esse ano. É como se tivesse banalizado que a coisa funciona assim e ponto final. Eu não sei porque não estou na ponta, mas todos os relatos que tenho são esses (compra de lideranças)”, relatou Wagner. Segundo ele, o problema é o “só trabalho por dinheiro”. “Eu estou vendo gente falando que está apertado que eu nunca vi. E estou vendo gente que não teve esse hábito de ter a relação assim que diz: ‘eu vou cair fora’”, completou o governador, citando, inclusive, o exemplo do presidente estadual do PSDB, Sérgio Passos. “Se eu não mudar a máquina eleitoral partidária no Brasil, cada ano sai pior. Está um negócio... Estou falando da relação [faz o gesto referente a dinheiro], ela banalizou”, critica. Apesar da perspectiva pouco otimista, o próprio Wagner sinaliza possíveis caminhos, entre eles o tempo de televisão ser restrito para partidos com candidatura a majoritária e o fim da coligação proporcional. Além de entrar numa seara polêmica: “Tem que acabar com esse negócio de dois em dois anos. Eu acho que devia ser cinco, sem direito a reeleição, de vereador a presidente da República”.

Histórico de Conteúdo