Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Terça, 27 de Maio de 2014 - 11:30

Sindicato adere a dissidentes e greve de ônibus é decretada; Setps aguarda dissídio na sexta

por Marcos Russo/ Evilásio Júnior

Sindicato adere a dissidentes e greve de ônibus é decretada; Setps aguarda dissídio na sexta
Foto: Max Haack/ Ag. Haack/ Bahia Notícias
O Sindicato dos Rodoviários aderiu ao movimento dissidente e decretou oficialmente greve dos ônibus na capital baiana nesta terça-feira (27). A informação foi confirmada pelo presidente da entidade de classe, Hélio Ferreira, para quem o maior impasse gira em torno dos tíquetes-alimentação: motoristas e cobradores pedem R$ 17 e o patronato oferece R$ 14. De acordo com o dirigente, a entidade voltou atrás da decisão tomada nesta segunda (26) por entender que a paralisação é desejo da maioria. Não houve avanço também na mediação junto ao Tribunal Regional do Trabalho da Bahia (TRT-BA) na audiência de conciliação com o Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros (Setps), que ingressou com o pedido de dissídio coletivo, a ser julgado apenas na sexta (30), às 8h45. A relatora, desembargadora Débora Machado, em liminar, deferiu a proposta dos rodoviários e determinou que pelo menos 70% dos ônibus deverão estar nas ruas em horários de pico e 50% nos demais períodos. Ao Bahia Notícias, o assessor de Relações Sindicais do Setps, Jorge Castro, comentou o impasse. "Eles têm que cumprir a decisão judicial de botar 70% da frota, sob pena de pagar multa diária de R$ 100 mil", declarou, ao descartar que as empresas arcariam com o custo da pena. "É um problema do sindicato, não é nosso. Não há nada agora a fazer, apenas cumprir a decisão", completou. Questionado se apenas o vale-refeição seria o motivo do imbróglio, Castro enfatizou: "Agora não tem mais nada que discutir. Está pegando tudo. Sei lá mais o que fecha. Agora é esperar o tribunal julgar".

Histórico de Conteúdo