O cigano conhecido como Muniz, encontrado morto neste domingo (22) em uma roça de Cacau no município de Barra do Rocha, no sul da Bahia, não foi assassinado, defende laudo do Instituto Médico Legal (IML) de Jequié. “Ele [Muniz] morreu de causas desconhecidas. Não havia no corpo da vítima sinais de agressões, nem perfurações de armas”, afirmou um legista ao site Giro em Ipiaú. A mesma fonte acredita que os ferimentos nos testículos do homem e outras partes do corpo foram causadas por urubus. Um infarto fulminante pode ter sido a causa da morte de Muniz, que desencadeou o assassinato de dois homens por ciganos, também neste domingo. O grupo atirou contra duas pessoas por acreditar que uma delas tinha envolvimento com a morte de Muniz. Elder Moraes e Vilson Rodrigues foram atingidos por vários tiros. Elder morreu na hora, enquanto Vilson faleceu no Hospital Geral de Ipiaú.

Histórico de Conteúdo