Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Marca Bahia Notícias
Você está em:
/
Notícia
/
Esporte

Notícia

Fala Povo: torcedores confiantes para o Ba-Vi de domingo

Por Júlia Belas

Fala Povo: torcedores confiantes para o Ba-Vi de domingo
Fotos: Max Haack / Ag. Haack | Júlia Belas / Bahia Notícias
Noite de sexta-feira (19), fim de semana de clássico. A Arena Fonte Nova receberá, pela primeira vez depois de dez anos, um Ba-Vi pela série A do Campeonato Brasileiro. Na tabela, os tricolores estão em sétimo, enquanto os rubro-negros alcançaram a segunda colocação. A diferença, porém, é só de um ponto. O Bahia Notícias foi às ruas para saber como estão as expectativas dos torcedores de Bahia e Vitória para o jogo do próximo domingo (21). Entre os tricolores, a confiança e a vingança superam a preocupação. Segundo a torcedora Priscila de Jesus, o Bahia tem que ganhar de 5 a 1 no domingo e, em setembro, no jogo de volta, vencer por 7 a 3 para se vingar do rival. No entanto, entre os entrevistados, o placar de 2 a 0 predomina. A maior parte dos tricolores e rubro-negros aposta no resultado, sempre favorecendo seus times.
 
Roberta e Zana acreditam no Leão

Roberta Ferreira, rubro-negra ferrenha, não hesita em exaltar a campanha do Leão. Para ela, o Vitória "só vai dar 2 porque o estádio já é nosso". Já a carioca Zana "Alegria", flamenguista e simpatizante do atacante Fred, fez coro ao palpite da colega e acredita no Vitória. Já o grupo de amigos Antônio Góes, Américo Dias e Marcos Santos é bem diverso: o tricolor Antônio acredita na vitória do Bahia por 2 a 1. Marcos, por sua vez, brinca: "o Vitória ganhou de 5 e ganhou de 7, falta dar 6 pra ficar equilibrado". Américo é neutro e prefere não se envolver na discussão. No entanto, deixa claro: "o Bahia tem que ganhar e recuperar a Fonte Nova, senão é melhor voltar a jogar em Feira de Santana".
 

Antônio, Américo e Marcos: amigos divergentes