Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Marca Bahia Notícias
Você está em:
/
Notícia
/
Política

Notícia

Maia diz que DEM quer manter alianças e buscará ‘alternativas’ se ACM Neto não for candidato

Por Bárbara Souza

Maia diz que DEM quer manter alianças e buscará ‘alternativas’ se ACM Neto não for candidato
Foto:Max Haack / Bahia Notícias
A julgar pelas declarações do presidente nacional do DEM, senador Agripino Maia (RN), o prefeito de Salvador, ACM Neto, está mesmo fortalecido nas hostes do partido e será dele a decisão sobre os rumos que a legenda deverá tomar na disputa pela sucessão estadual em 2014. Em entrevista ao jornalista Samuel Celestino, no programa Bahia Notícias no Ar, da Rede Tudo FM 102,5 , o parlamentar classificou Neto como “um dos melhores quadros” do Democratas, e deixou claro que, se o prefeito decidir se candidatar ao governo, terá integral apoio da sigla. Caso contrário, o DEM buscará “alternativas”, mas somente se Neto “julgar conveniente”. “O importante é que as alianças que nós mantivemos e mantemos na Bahia, permaneçam” porque “nós temos uma história para colocar à disposição do povo da Bahia, independentemente de Neto ser ou não ser candidato”, aposta. Maia reitera que o gestor pretende exercer até o fim seu mandato à frente da prefeitura, mas ressalta que ACM Neto “tem consciência de que a oportunidade se apresenta para ele e ele teria grandes chances de se eleger governador, mas isso tem consequências”. Questionado sobre a possibilidade da realização de uma reforma política “profunda” com efeitos na eleição do próximo ano, o democrata foi direto. “Para a eleição de 2014, não haverá tempo, se houvesse, daria tempo para o plebiscito, que foi uma proposta marota que a presidente [Dilma Rousseff] fez”, disse. Como de praxe, uma vez citado o nome da mandatária, Agripino Maia aproveitou para tecer outras críticas à governante. Ao defender que o Congresso tem respondido à onda de protestos que se espalhou pelo Brasil no último mês – “nos últimos dias votamos 15 matérias muito importantes” –, o líder oposicionista desqualificou as iniciativas do governo federal. “O que a presidente fez? Ela mandou uma carta para o Congresso, com os cinco pontos, e ficou na carta; fez uma reunião com prefeitos e governadores, que morreu na reunião. Não tomou nenhuma atitude concreta que respondesse aos reclames das ruas”, opinou, ao dizer que “é por isso que a rua continua inquieta”. Ainda sobre o que ele considera uma resposta do Congresso aos protestos, Maia comentou a aprovação da Proposta de Eenda à Constituição (PEC) que acabou com a figura do segundo suplente de parlamentar e proibiu parentes na mesma chapa. Segundo ele, o Senado aprovou “o texto possível” porque "faltou voto" para aprovar a outra PEC, cujo conteúdo ele julgava ser melhor. “A tese que nós queríamos é que o suplente fosse uma pessoa transitória: ele assumiria, mas não sucederia”, suscitou, ao explicar que “tendo em vista que de dois em dois anos tem eleição", o suplente ficaria no cargo até que uma eleição repusesse o senador que deixou o mandato.