Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Marca Bahia Notícias
Você está em:
/
Notícia
/
Política

Notícia

Ipea sugere mais impostos para bancar redução nas tarifas de transporte

Por Gustavo Gantois / Portal Terra

Ipea sugere mais impostos para bancar redução nas tarifas de transporte
Enquanto os governos federal, estaduais e municipais ainda quebram a cabeça na tentativa de baratear ou até mesmo instituir a tarifa zero para o transporte público, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) sugeriu nesta quinta-feira (4) uma solução que onera ainda mais o bolso do contribuinte. De acordo com o pesquisador Carlos Henrique de Carvalho, os preços cobrados atualmente em ônibus, trens e metrôs estimulam o uso do transporte privado e poderiam ser reduzidos por meio do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores, por exemplo. “A redução da tarifa seria possível com a criação de uma nova taxa no combustível dos veículos privados ou no IPVA, usada especificamente para financiar o transporte público. O usuário do transporte individual precisa contribuir mais, até porque ele prejudica o transporte público ao aumentar os congestionamentos”, disse Carvalho, durante apresentação do estudo "Tarifação e financiamento do transporte público urbano". Uma das soluções propostas pelo Ipea é a instituição de novos tributos que recaiam diretamente sobre o usuário. Segundo o pesquisador, Bogotá (Colômbia) e Londres (Inglaterra) usam iniciativa semelhante sobre o combustível e o pedágio urbano, respectivamente. Na França também há uma divisão maior da composição tarifária. Lá, todas as empresas, públicas ou privadas, que contam com mais de nove assalariados, pagam um imposto desde 1972 que representa 37% dos gastos com a tarifa. O governo oferece subsídios que chegam a 21% e os passageiros contribuem com 30%.