Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Marca Bahia Notícias
Você está em:
/
Notícia
/
Geral

Notícia

Turistas aprovam país, mas criticam organização da Copa das Confederações

Por Portal Terra

Turistas aprovam país, mas criticam organização da Copa das Confederações
Foto: Betto Jr./ Ag. Haack/ Bahia Notícias
Turistas estrangeiros ouvidos durante a Copa das Confederações elogiaram o calor do povo brasileiro, mas reclamaram organização do evento. Pesquisa preparada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) a pedido do Ministério do Turismo aponta que 95,3% aprovaram os estádios de um modo geral, mas apenas 61,5% consideraram bom os transportes para o estádio. No quesito do atendimento ao turista, 91,5% disseram aprovar os restaurantes e 86,2% aprovaram a vida noturna nas cidades-sede, mas apenas 56,6% avaliaram positivamente o atendimento em seu idioma. "O sistema de transporte funcionou bem, mas é muito difícil encontrar alguém que fale a nossa língua", declarou à BBC Brasil o estudante britânico Jack Carbutt, de 19 anos, ao chegar Maracanã antes do jogo deste domingo (30). A mesma dificuldade foi a queixa do diplomata japonês Satoshi Endo, de 44 anos, que esteve no estádio Mané Garrincha (Brasília), para assistir ao confronto entre Brasil e Japão, no dia 15. "Para quem não fala português, é difícil se virar. Acredito que a organização ainda precisa melhorar para a Copa", disse. O publicitário japonês Hiroki Takahashi, de 41 anos, pontuou ter achado o país mais seguro do que imaginava. "Os brasileiros gostam bastante dos japoneses, nos sentimos em casa", afirmou. O mexicano Amancio Vilchis, de 51 anos, contou ter esperado horas em uma fila no aeroporto do Galeão (Rio de Janeiro) para retirar seus ingressos para os jogos e perdeu o voo do Rio para Fortaleza por falta de informações no aeroporto. O também mexicano Alfonso Torres, de 67 anos, que viu três partidas em Belo Horizonte e duas no Rio de Janeiro, disse ter se decepcionado com a falta de organização e os problemas que enfrentou, como a falta de táxis para deixar o Mineirão. "Pensava em voltar no ano que vem para a Copa do Mundo, mas saí muito decepcionado", disse.