Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Marca Bahia Notícias
Você está em:
/
Notícia
/
Geral

Notícia

A fim de ir às manifestações, zagueiro corintiano ‘convoca’ colegas: ‘Sociedade se espelha na gente’

A fim de ir às manifestações, zagueiro corintiano ‘convoca’ colegas: ‘Sociedade se espelha na gente’
Foto: Renato Cordeiro/LANCE!Press
O zagueiro do Corinthians Paulo André, que foi amigo do ídolo do time, Sócrates, se diz a fim de participar das manifestações que ocorrem em todo o país e se posicionou contra a realização da Copa do Mundo de 2014 no Brasil. Em entrevista ao Lance, o jogador alega que seu treinador, Tite, não deixaria o elenco alvinegro participar dos protestos em tempos de intertemporada, mas não deixa de “convocar” seus companheiros de profissão. “Acho fundamental, pois a sociedade se espelha na gente para chegar em algum lugar, como ídolo, herói ou prova de superação. Tenho certeza de que quando disse que apoio o movimento pacífico, que sou contra a violência mas que estou junto deles nas reclamações, muitas pessoas que gostam de mim começaram a tentar entender melhor o movimento. A força dos atletas é grande, mas mal explorada. Vale só apoiar? Vale muito. Os jogadores hoje são capazes de fazer só isso”, opinou. Paulo André disse que não teme “ser silenciado”. “Uma vez o Andrés [Sanchez, ex-presidente do Corinthians] falou que primeiro eu tinha de jogar para depois falar, porque eu estava machucado. Ele estava na CBF e eu era contrário às decisões. Faltavam projetos a longo prazo. Foi a única invertida que tomei. Tenho um grande apreço por ele, mas continuarei falando porque são minhas opiniões, é ideológico”, completou.