Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Marca Bahia Notícias
Você está em:
/
Notícia
/
Geral

Notícia

Reforma Tributária e a reunião

Por Ricardo Luzbel

Reforma Tributária e a reunião

Ainda repercute nos meios político e empresarial o projeto do Executivo municipal sobre a Reforma Tributária, aprovada pela Câmara Municipal de Salvador. Um grupo de vereadores, dentre os quais José Trindade (PSL), Carlos Muniz (PTN) e o presidente da Comissão de Constituição e Justiça, Kiki Bispo (PTN), ratificam que aprovaram o texto original do projeto enviado, por entenderem que a cidade passa por graves dificuldades de caixa. “Desde o início desta administração sempre foi sinalizado pela prefeitura à necessidade de aumentar a arrecadação”, argumentou Muniz. Trindade ratifica o entendimento, ao colocar que “votamos por Salvador, pelo que entendemos ser melhor para a cidade. A renúncia da cobrança do ISS das incorporadoras, algo em torno de 40 milhões por ano, significa abrirmos mão de arrecadação para que a prefeitura possa investir na recuperação da malha asfáltica, recuperação de escolas públicas e postos de saúde, e tantas outras carências pelas quais passa nossa cidade”. Mas o vereador não descarta um entendimento com o setor. “Entendemos que a Câmara, que representa na sua amplitude os anseios de toda a população, sempre estará disposta a debater com o segmento, na figura do representante maior da entidade, que é o presidente da Ademi, definindo as contrapartidas que o setor possa disponibilizar e oferecer de melhor para cidade”, pontua Trindade. Comentou-se também que, em reunião reservada, tipo petit comité, capitaneada pelo prefeito ACM Neto, antes do envio do projeto para analise na Câmara na presença de vários empresários do setor como os ex-presidentes Antônio Carlos Costa Andrade e Guto Amoedo, Nelson Trief, Vicente Matos e Fred Maron, que inclusive vem a ser parente do prefeito, e após consulta, os empresários manifestaram que a cobrança não traria problemas ao segmento. Isto posto, o prefeito finalizou o projeto e enviou à Câmara para aprovação. Manifestação esta que foi difundida de forma aberta durante a festa de premiação do setor em casa de eventos no mês de maio, pelos mesmos empresários que estiveram com o prefeito. O vereador Kiki Bispo (PTN) questiona: “qual é a culpa dos vereadores? Não alteramos o artigo do projeto. Votamos e aprovamos integralmente o projeto que veio do Executivo municipal”.